sicnot

Perfil

Mundo

Rádio dinamarquesa mata coelho em direto para denunciar hipocrisia sobre os direitos dos animais

Um apresentador de uma rádio dinamarquesa matou em direto um coelho com uma bomba de encher pneus de bicicleta, alegando que pretendia denunciar a hipocrisia das pessoas em relação aos direitos e ao bem-estar dos animais. 

© Heinz-Peter Bader / Reuters

"Não o fizemos pelo entretenimento", escreveu a emissora na rede social Twitter, salientando que milhares de animais morrem todos os dias para alimentar a população em geral.

"Compramos e comemos animais que tiveram uma vida abominável. E esses animais foram mortos nas mesmas condições (...) que este coelho no estúdio", referiu a Radio24syv, num comunicado.

O gesto do apresentador da Radio24syv Asger Juhl, que ocorreu na segunda-feira, gerou de imediato polémica e indignação nas redes sociais. Muitas pessoas acusaram a emissora de pretender fazer um golpe publicitário.

"Sem alma, cruel e sem escrúpulos", escreveu uma internauta na rede social Facebook.

Mas nem todas as opiniões foram negativas. Exemplo disso foi o comentário do jornalista Brian Esbensen, que escreveu no Twitter: "E se as pessoas estivessem tão indignadas com os refugiados que morrem afogados?".

No comunicado, a emissora de rádio acrescentou que pretendeu desmistificar "um dos setores agrícolas mais industrializados do mundo". Na Dinamarca, a agricultura é um dos principais setores exportadores.

Não é a primeira vez que os direitos dos animais estão no centro de uma polémica na Dinamarca.

No ano passado, o jardim zoológico de Copenhaga suscitou a indignação mundial quando abateu uma girafa saudável por razões genéticas.

O animal foi abatido e dissecado em frente aos visitantes do jardim zoológico e os restos mortais serviram para alimentar os animais carnívoros do zoológico.







Lusa
  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),