sicnot

Perfil

Mundo

Tornado "atípico" mata 13 pessoas em seis segundos no México

Um tornado "atípico" pela sua intensidade causou na segunda-feira pelo menos 13 mortos em Ciudad Acuña, no estado mexicano de Coahuila, onde em apenas seis segundos causou também danos materiais consideráveis, informaram fontes oficiais.

© Stringer Shanghai / Reuters

Além dos mortos, o tornado causou 229 feridos, indicou a Secretaria de Governação do Governo federal.

A instituição emitiu uma declaração de emergência para o município de Acuña, a partir da qual "as autoridades do Governo estatal contam com recursos para responder às necessidades alimentícias, de alojamento e de saúde da população afetada".

Por seu lado, o secretário do Governo de Coahuila, Víctor Zamora, precisou que entre os mortos constam três menores, sendo que outro está desaparecido.

Zamora admitiu que os números podem aumentar já que continuam os trabalhos de remoção de escombros deixados pelo tornado, "atípico" para esta zona do México e que afetou quatro localidades a sudeste de Ciudad Acuña, que faz fronteira com os Estados Unidos.

O funcionário estimou em 750 o número de casas afetadas, das quais 60 a 70 estão destruídas, e em uma centena os veículos atingidos, alguns dos quais encontrados nos telhados de casas.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.