sicnot

Perfil

Mundo

Amnistia Internacional acusa Hamas de crimes de guerra durante conflito de Gaza em 2014

A Amnistia Internacional acusou hoje o movimento palestiniano Hamas de praticar "uma campanha brutal de raptos, tortura e homicídios" contra alegados colaboradores de Israel e simpatizantes do partido palestiniano Fatah, durante a ofensiva israelita de 2014 em Gaza.

© Suhaib Salem / Reuters

Num relatório intitulado: "'Estrangular Pescoços': Raptos, tortura e execuções sumárias de Palestinianos pelas forças do Hamas durante o conflito de 2014 entre Gaza e Israel", a Amnistia denuncia uma série de abusos que são, para o diretor do Programa do Médio Oriente e Norte de África da Amnistia Internacional (AI), Philip Luther, "ações arrepiantes, algumas das quais constituindo crimes de guerra".

Entre os abusos relatados estão as execuções extrajudiciais de pelo menos 23 palestinianos e "a prisão e tortura de dezenas de outros", incluindo "membros e apoiantes" da Fatah, principal rival político do Hamas na Faixa de Gaza.

"É absolutamente apavorante que, enquanto as forças israelitas infligiam morte e destruição em massa contra os civis de Gaza, as forças do Hamas tanham aproveitado para acertos de contas sem piedade, levando a cabo uma série de homicídios e outros abusos graves", disse Philip Luther.

Segundo a AI, as ações teriam o objetivo de "praticar a vingança e espalhar o medo pela Faixa de Gaza", tendo o Hamas "dado carta-branca às suas forças de segurança para cometer abusos horríficos, incluindo contra pessoas sob a sua custódia".

Muitos dos homicídio foram anunciados pelo Hamas como parte de uma operação com o nome de código "Estrangular Pescoços", visando alegados "colaboradores" com Israel, mas a AI destaca que "pelo menos 16 dos executados estavam sob a custódia do Hamas desde antes do início do conflito", sendo que "muitos esperavam o resultado dos seus julgamentos quando foram retirados da prisão e sumariamente executados".

As forças do Hamas também "raptaram, torturaram ou atacaram" membros e apoiantes da Fatah e antigos membros das forças de segurança da Autoridade Palestiniana.

A Amnistia lamenta que "nem uma pessoa" tenha respondido pelos abusos citados, o que para a organização indica "que estes crimes foram ou ordenados ou tolerados pelas autoridades".

"Em vez de procurarem justiça, as autoridades e a liderança do Hamas encorajaram e facilitaram continuamente estes crimes apavorantes contra indivíduos indefesos", disse Philip Luther, acrescentando que a falta de condenação destes casos deixa o Hamas "com sangue nas mãos".

Para o diretor do programa regional da AI, "as forças do Hamas mostraram desrespeito pelas regras mais fundamentais das leis humanitárias internacionais".

A Amnistia Internacional apela ao Hamas e às autoridades palestinianas no geral para que "cooperem com mecanismos internacionais de investigação", e que procurem que "os casos documentados neste relatório, entre outros, sejam investigados de forma imparcial e independente e que, nos casos em que haja provas suficientes, os culpados sejam levados à justiça em procedimentos que respeitem os padrões internacionais e sem recurso à pena de morte".






Lusa
  • "Há uma grande diferença em relação à anterior liderança do PSD"
    14:29

    País

    O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, esteve esta quarta-feira na Edição da Noite da SIC Notícias. As novas relações com o PSD e a reprogramação do Portugal 2020 foram alguns dos temas de conversa. Pedro Marques defende que existe "uma grande diferença" entre as lideranças de Passos Coelho e Rui Rio no PSD.

    Entrevista SIC Notícias

  • Dia de homenagens e muito futebol para Marcelo em São Tomé
    3:01

    País

    No segundo dia da visita de Estado a São Tomé e Príncipe, o Presidente da República prestou homenagem às vítimas do massacre de Batepá, em 1953. Marcelo Rebelo de Sousa não pediu desculpa pela história, mas lembrou que é preciso assumir as coisas menos boas do passado. O dia terminou com o Presidente a mostrar que ainda está em forma.

    Enviados SIC

  • Patinadora enfrenta "pesadelo" nos Olímpicos

    Desporto

    A patinadora Gabriella Papadakis enfrentou na segunda-feira um dos "piores pesadelos" da sua vida, durante a estreia nos Jogos Olímpicos de Inverno, em Pyeongchang, na Coreia do Sul. Durante a apresentação, a parte de cima do vestido da francesa saiu do lugar e revelou parte do seu seio. Mas este não foi o único caso de incidentes com figurinos. Também a sul-coreana Yura Min quase ficou despida durante a sua apresentação.

    SIC

  • Casal mantinha filhos trancados sem comida

    Mundo

    Se pensava que só existia uma casa dos horrores, a da família Turpin, desengane-se. A polícia de Tucson, no estado norte-americano do Arizona, deteve na terça-feira um casal que mantinha os quatro filhos adotivos trancados em quartos separados.

    SIC

  • Pigcasso, a porca pintora que tem uma galeria de arte

    Mundo

    O nome sugere o talento da artista que vive na Cidade do Cabo, na África do Sul. Pigcasso estava prestes a morrer, quando foi resgatada por uma ativista que a ajudou a enveredar pelo caminho da pintura. Desde pequena começou a pegar em pincéis e agora é o primeiro animal do mundo com uma galeria de arte, onde já lançou a sua primeira exposição intitulada 'Oink!'.