sicnot

Perfil

Mundo

Brasil contribui para redução da fome na América Latina

O Brasil foi um dos países que contribuiu para a forte redução da fome na América Latina ao cumprir o objetivo de reduzir para metade o número de pessoas subalimentadas, segundo um relatório anual da ONU divulgado hoje. 

reuters

Juntamente com os lusófonos Angola e Moçambique, o Brasil foi um dos 29 países que conseguiram atingir ambas as metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM) de reduzir para metade a prevalência de desnutrição até 2015 e da Cimeira Mundial da Alimentação de 1996, quando os governos se comprometeram a reduzir para metade o número absoluto de pessoas subnutridas até 2015.

Segundo o relatório, o número de brasileiros desnutridos decresceu mais de 50% comparando com os 22,6 milhões de 1990-92, embora não seja indicado o número atual. 

A América Latina foi a região com melhor desempenho, tendo reduzido naquele período o número de subnutridos em 48%, de 66,1 milhões para 34,3 milhões.   

A taxa de subalimentação no Brasil é atualmente inferior a cinco por cento, resultado, segundo o documento, do crescimento económico do país e também de uma maior participação das mulheres no mercado laboral. 

O relatório refere que o aumento da taxa de mulheres empregadas, de 45% em 1990-94 para 60% em 2013, tem incidência na segurança alimentar pois o rendimento feminino é mais frequentemente utilizado em comida e nutrição, mas também em saúde, saneamento e educação, do que quando o orçamento familiar é controlado pelo homem. 

Outro fator para a redução da fome, acrescenta, foi o programa estatal Fome Zero introduzido pelo governo, que chegou a quase um quarto da população e que remunera as famílias cujas crianças frequentam a escola. 

A última edição do relatório da ONU "O Estado da Insegurança Alimentar no Mundo 2015", que monitoriza 129 países, estima que caiu para 795 milhões o número de pessoas com fome no mundo, menos 10 milhões de pessoas do que no ano passado e menos 167 milhões do que na década passada. 

A situação melhorou nas regiões em desenvolvimento, onde a taxa de subnutrição - que mede a proporção de pessoas que são incapazes de consumir alimentos suficientes para uma vida ativa e saudável - diminuiu para 12,9% da população, contra 23,3% há 25 anos. 

Ainda assim, na África Subsariana, 23,2% dos habitantes passam fome e 24 países africanos enfrentam atualmente crises alimentares, o dobro do que em 1990, indica o estudo relatório, publicado hoje pela Organização de Alimentação e Agricultura das Nações Unidas (FAO), Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) e Programa Mundial de Alimentos (PMA).

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.