sicnot

Perfil

Mundo

Brasil contribui para redução da fome na América Latina

O Brasil foi um dos países que contribuiu para a forte redução da fome na América Latina ao cumprir o objetivo de reduzir para metade o número de pessoas subalimentadas, segundo um relatório anual da ONU divulgado hoje. 

reuters

Juntamente com os lusófonos Angola e Moçambique, o Brasil foi um dos 29 países que conseguiram atingir ambas as metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM) de reduzir para metade a prevalência de desnutrição até 2015 e da Cimeira Mundial da Alimentação de 1996, quando os governos se comprometeram a reduzir para metade o número absoluto de pessoas subnutridas até 2015.

Segundo o relatório, o número de brasileiros desnutridos decresceu mais de 50% comparando com os 22,6 milhões de 1990-92, embora não seja indicado o número atual. 

A América Latina foi a região com melhor desempenho, tendo reduzido naquele período o número de subnutridos em 48%, de 66,1 milhões para 34,3 milhões.   

A taxa de subalimentação no Brasil é atualmente inferior a cinco por cento, resultado, segundo o documento, do crescimento económico do país e também de uma maior participação das mulheres no mercado laboral. 

O relatório refere que o aumento da taxa de mulheres empregadas, de 45% em 1990-94 para 60% em 2013, tem incidência na segurança alimentar pois o rendimento feminino é mais frequentemente utilizado em comida e nutrição, mas também em saúde, saneamento e educação, do que quando o orçamento familiar é controlado pelo homem. 

Outro fator para a redução da fome, acrescenta, foi o programa estatal Fome Zero introduzido pelo governo, que chegou a quase um quarto da população e que remunera as famílias cujas crianças frequentam a escola. 

A última edição do relatório da ONU "O Estado da Insegurança Alimentar no Mundo 2015", que monitoriza 129 países, estima que caiu para 795 milhões o número de pessoas com fome no mundo, menos 10 milhões de pessoas do que no ano passado e menos 167 milhões do que na década passada. 

A situação melhorou nas regiões em desenvolvimento, onde a taxa de subnutrição - que mede a proporção de pessoas que são incapazes de consumir alimentos suficientes para uma vida ativa e saudável - diminuiu para 12,9% da população, contra 23,3% há 25 anos. 

Ainda assim, na África Subsariana, 23,2% dos habitantes passam fome e 24 países africanos enfrentam atualmente crises alimentares, o dobro do que em 1990, indica o estudo relatório, publicado hoje pela Organização de Alimentação e Agricultura das Nações Unidas (FAO), Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) e Programa Mundial de Alimentos (PMA).

  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.