sicnot

Perfil

Mundo

Brasil contribui para redução da fome na América Latina

O Brasil foi um dos países que contribuiu para a forte redução da fome na América Latina ao cumprir o objetivo de reduzir para metade o número de pessoas subalimentadas, segundo um relatório anual da ONU divulgado hoje. 

reuters

Juntamente com os lusófonos Angola e Moçambique, o Brasil foi um dos 29 países que conseguiram atingir ambas as metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM) de reduzir para metade a prevalência de desnutrição até 2015 e da Cimeira Mundial da Alimentação de 1996, quando os governos se comprometeram a reduzir para metade o número absoluto de pessoas subnutridas até 2015.

Segundo o relatório, o número de brasileiros desnutridos decresceu mais de 50% comparando com os 22,6 milhões de 1990-92, embora não seja indicado o número atual. 

A América Latina foi a região com melhor desempenho, tendo reduzido naquele período o número de subnutridos em 48%, de 66,1 milhões para 34,3 milhões.   

A taxa de subalimentação no Brasil é atualmente inferior a cinco por cento, resultado, segundo o documento, do crescimento económico do país e também de uma maior participação das mulheres no mercado laboral. 

O relatório refere que o aumento da taxa de mulheres empregadas, de 45% em 1990-94 para 60% em 2013, tem incidência na segurança alimentar pois o rendimento feminino é mais frequentemente utilizado em comida e nutrição, mas também em saúde, saneamento e educação, do que quando o orçamento familiar é controlado pelo homem. 

Outro fator para a redução da fome, acrescenta, foi o programa estatal Fome Zero introduzido pelo governo, que chegou a quase um quarto da população e que remunera as famílias cujas crianças frequentam a escola. 

A última edição do relatório da ONU "O Estado da Insegurança Alimentar no Mundo 2015", que monitoriza 129 países, estima que caiu para 795 milhões o número de pessoas com fome no mundo, menos 10 milhões de pessoas do que no ano passado e menos 167 milhões do que na década passada. 

A situação melhorou nas regiões em desenvolvimento, onde a taxa de subnutrição - que mede a proporção de pessoas que são incapazes de consumir alimentos suficientes para uma vida ativa e saudável - diminuiu para 12,9% da população, contra 23,3% há 25 anos. 

Ainda assim, na África Subsariana, 23,2% dos habitantes passam fome e 24 países africanos enfrentam atualmente crises alimentares, o dobro do que em 1990, indica o estudo relatório, publicado hoje pela Organização de Alimentação e Agricultura das Nações Unidas (FAO), Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) e Programa Mundial de Alimentos (PMA).

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.