sicnot

Perfil

Mundo

Grupo de 30 militares portugueses junta-se a contingente espanhol no Iraque

O grupo de 30 militares portugueses que partiu este mês para o Iraque para combater o movimento extremista Estado Islâmico (EI) juntou-se a uma missão espanhola na base "Grande Capitão", localizada em Besmayah.

(arquivo)

(arquivo)

© Hazir Reka / Reuters

Segundo informa o 'site' do Exército de Terra espanhol, citado hoje pela agência noticiosa EFE, os soldados portugueses reforçaram o contingente espanhol destacado no Iraque e desempenham funções de treino, tarefas operativas, logísticas e de serviços, entre os quais sanitários.

O contingente português, que já é conhecido como "secção Viriato", é formado por 20 militares da unidade de comandos, cinco paraquedistas, dois artilheiros, dois militares das operações especiais e um de cavalaria.

O grupo de militares portugueses destacados no Iraque para combater o EI durante um ano é chefiado pelo comandante Manuel Lourenço, tido pelo exército espanhol como um operacional com "ampla formação e experiência em missões internacionais".

A integração dos militares portugueses decorreu no passado dia 17 de maio com uma homenagem solene às vítimas que morreram neste conflito, cerimónia que decorreu na base "Grande Capitão, e que contou com o hastear da bandeira portuguesa junto das bandeiras espanhola e iraquiana.

A base espanhola de Besmayah conta com 200 militares que estão a treinar o exército iraquiano.  

Lusa
  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".