sicnot

Perfil

Mundo

Piratas acedem a dados de 100.000 contribuintes norte-americanos

Um grupo de piratas informáticos acedeu ilegalmente aos dados fiscais de mais de 100.000 contribuintes norte-americanos nos passados quatro meses, informou na terça-feira o comissário do Serviço de Impostos, John Koskinen.

© Mal Langsdon / Reuters

Numa conferência de imprensa, John Koskinen revelou que os piratas acederam à informação dos contribuintes através da aplicação "Get Transcript" entre fevereiro e maio.

Entre as mais de 200.000 tentativas cerca de metade teve êxito, mas as autoridades norte-americanas não disponibilizaram informações sobre quem são, ou podem ser, os autores do roubo de dados que está a ser investigado criminalmente.

As autoridades norte-americanas salientam que os autores da ação possuíam informação prévia dos contribuintes que "possivelmente" foram obtidas nas redes sociais e garantem que vão notificar via postal todos os afetados.


  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18