sicnot

Perfil

Mundo

Quase 800 milhões de pessoas passam fome no Mundo

O Mundo tem 795 milhões de pessoas a passarem fome. São menos 10 milhões do que no ano passado e menos 167 milhões do que na década passada.

© Babu Babu / Reuters

Os dados são do relatório anual das Nações Unidas, divulgado hoje. Apesar da redução dos números, o documento revela que a crise económica mundial impediu que o combate à fome tivesse melhores resultados.

Brasil e Angola são dos países que mais contribuíram para a redução da fome. Esta é a primeira vez, em 25 anos, que o número de pessoas afetadas pela fome está abaixo dos 800 milhões. Ainda assim, as regiões em desenvolvimento têm em média 13% da população subnutrida.
  • As confissões de Sérgio Conceição: do futuro no FC Porto à zanga com Rui Vitória 
    43:14
  • Parceiros sociais retomam hoje discussão sobre legislação laboral

    Economia

    Os parceiros sociais retomam esta tarde a discussão sobre as alterações à legislação laboral nas áreas do combate à precariedade, promoção da negociação coletiva e reforço da inspeção do trabalho. No encontro, marcado para as 15:00 no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, deverá apresentar um novo documento com alterações face ao que foi proposto aos parceiros sociais há dois meses.

  • Sabia que pode emprestar dinheiro a empresas e ganhar 7% em juros por ano?
    8:05
  • A experiência de um embaixador português na Coreia do Norte
    2:58

    País

    A Coreia do Norte tem o maior orçamento militar do mundo e o seu arsenal nuclear acaba por dar-lhe acesso a uma possível cimeira com os Estados Unidos. A pobreza e o culto da personalidade foram testemunhados pelo embaixador, José Manuel de Jesus, que visitou várias vezes Pyongyang.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.