sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 22 pessoas expostas a antraz em base norte-americana na Coreia do Sul

Pelo menos 22 pessoas podem ter sido expostas a antraz durante um exercício de formação laboratorial numa base militar norte-americana na Coreia do Sul, de acordo com um comunicado do exército.

© Kim Hong-Ji / Reuters

Sublinhando que "não há risco" para o público, o comunicado da Osan Air Force Base disse que o alarme soou depois de se descobrir que a bactéria que estava a ser usada no exercício podia não estar inativa.

"Vinte e duas pessoas podem ter sido expostas durante a formação", indica o comunicado, acrescentando que ninguém apresentou ainda sintomas.

Além da Coreia do Sul, as amostras foram também enviadas, entre março de 2014 e março de 2015, a laboratórios em Maryland, Texas, Wisconsin, Delaware, Nova Jersey, Tennessee, Nova Iorque, Califórnia e Virgínia. 

EUA enviaram "inadvertidamente" amostras vivas de antraz para nove estados

O exército dos Estados Unidos enviou "inadvertidamente" amostras da bactéria viva do antraz a laboratórios de nove estados do país e a uma base militar norte-americana na Coreia do Sul, revelou hoje o Pentágono.

As amostras, que, em princípio, deveriam conter antraz morto ou inativo, foram enviadas entre março de 2014 e o mesmo mês deste ano a laboratórios em Maryland, Texas, Wisconsin, Delaware, Nova Jersey, Tennessee, Nova Iorque, Califórnia e Virgínia, além da Coreia do Sul.

O Pentágono assegurou que ninguém foi infetado e que não existe risco para o público, mas informou que mantém quatro pessoas sob medidas preventivas por terem estado expostas ao antraz.

As quatro pessoas estiveram expostas ao antraz que, no caso de ser inalado, pode causar a morte, quando realizaram "procedimentos que permitiram a passagem do agente para o ar".

As amostras de antraz foram enviadas desde um laboratório do exército em Utah como parte de um programa para desenvolver um teste nas bases que permita identificar ameaças ante possíveis ataques biológicos.

O porta-voz do Pentágono, o coronel Steve Warren, explicou ter sido aberta uma investigação para determinar o que se passou e anunciou que o departamento de Defesa interrompeu o envio de antraz inativo até que sejam esclarecidas as causas do erro.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.