sicnot

Perfil

Mundo

Tabaco pode matar mil milhões durante o século XXI

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou hoje que o consumo de tabaco e derivados pode causar a morte de mil milhões de pessoas durante o século XXI, dez vezes mais que os 100 milhões registados no século passado. 

© Reuters Photographer / Reuter

Citada pela Rádio da Organização das Nações Unidas (ONU), a OMS afirma que a "epidemia" do tabaco "é uma das piores ameaças globais de saúde pública, e mata 6 milhões de pessoas anualmente".

Segundo a agência da ONU, "se nada for feito, o número de mortes por ano deve chegar aos oito milhões até 2030".

O alerta foi dado a poucos dias do Dia Mundial sem Tabaco, comemorado a 31 de maio, cujo foco este ano é o combate ao comércio ilegal dos produtos derivados do tabaco.

A OMS calcula que "um em cada 10 cigarros consumidos no mundo" seja ilegal, sendo estes produtos vendidos a preços "muito mais baixos, consequentemente aumentando o consumo".

"Aproximadamente 80% de um total de mil milhões de fumadores" vivem em países de baixo ou médio Produto Interno Bruto 'per capita', onde a proporção de mortes relacionadas com o tabaco é "muito maior".

A diretora-geral da OMS, Margaret Chan, apelou a que os países assinem o Protocolo para Eliminar o Comércio Ilegal de Produtos de Tabaco, que determina a criação de "um sistema de rastreamento dos produtos e a imposição de sanções penais contra os responsáveis pelo comércio ilegal", criminalizando a produção ilegal e o contrabando.

Apenas oito países ratificaram até hoje o documento, sendo necessárias 40 ratificações para que este entre em vigor e se torne lei internacional.








Lusa
  • Hospitais vão ser penalizados se não cumprirem tempos de espera
    2:37

    País

    O Ministério da Saúde vai penalizar os hospitais que não cumprem os tempos de espera nas urgências e que tenham taxas elevadas de cesarianas. O novo modelo de financiamento prevê ainda linhas de financiamento próprio para a obesidade e rastreios do cancro do cólon e do colo do útero.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26