sicnot

Perfil

Mundo

Bélgica investiga alegada espionagem alemã

A Bélgica iniciou uma investigação depois das revelações sobre alegada espionagem conduzida pelos serviços secretos alemães, que se terá registado nos últimos anos em vários países Europeus, anunciaram hoje os membros do Governo.

"Se os relatos de práticas de espionagem generalizada por parte da inteligência alemã estavam corretos, a Alemanha dará explicações", disse o ministro belga Alexander De Croo (Reuters/ Arquivo)

"Se os relatos de práticas de espionagem generalizada por parte da inteligência alemã estavam corretos, a Alemanha dará explicações", disse o ministro belga Alexander De Croo (Reuters/ Arquivo)

© Yves Herman / Reuters

"Se os relatos de práticas de espionagem generalizada por parte da inteligência alemã estavam corretos, a Alemanha dará explicações", disse o ministro das Telecomunicações, Alexander De Croo, citado pela agência de notícias Belga.


O Ministro da Justiça, Koen Geens, por sua vez, referiu que o Serviço de Segurança do Estado Belga tinha começado uma investigação e esta deve determinar, "em caso afirmativo, em que medida a Bélgica tem sido objeto de supostas atividades de espionagem" por parte do alemães, por forma a que sejam tomadas medidas adequadas com base nos resultados do inquérito.


De acordo com as revelações na imprensa, o serviço de inteligência alemã, o BND, espiou empresas e supervisionou séniores políticos europeus em nome da NSA (Agência de Segurança Nacional) norte-americana.


Esta polémica eclodiu há várias semanas e o Governo de aliança de Angela Merkel, que, embora reconhecendo as lacunas na BDN (Serviço de Inteligência Alemã), garantiu estar pronto para falar perante a comissão parlamentar de inquérito para esclarecer práticas de espionagem.


Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14