sicnot

Perfil

Mundo

Guarda Costeira italiana resgata 741 pessoas no Mediterrâneo

A Guarda Costeira italiana informou que hoje foram resgatados 741 migrantes no Mediterrâneo, que tinham saído da Líbia, na esperança de chegar à Europa.

© Alessandro Bianchi / Reuters

A operação de resgate foi coordenada pela Guarda Costeira, disse um porta-voz à AFP, e realizada com contributos de navios da Alemanha, Irlanda e Reino Unido.

As pessoas estavam a procurar atravessar o Mediterrâneo a bordo de seis embarcações, cinco das quais insufláveis, antes de serem resgatadas em segurança no Estreito da Sicília. 

Este ano já morreram pelo menos 1.770 pessoas na perigosa jornada de travessia marítima, pelas contas da Organização Internacional das Migrações, um número que excede o do mesmo período de 2014 em 30 vezes. 

Nos últimos 18 meses já morreram mais de cinco mil pessoas. 

O aumento acentuado do número de pessoas que procura alcançar a Europa tem sido atribuído à deterioração da situação na Líbia, o ponto principal para o início das travessias, bem como à melhorai das situações meteorológicas.  

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.