sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 20 mortos em ataque contra autocarros no Paquistão

Pelo menos 20 pessoas morreram hoje quando rebeldes não identificados atacaram dois autocarros na província de Baluchistan, no sudoeste do Paquistão, disseram fontes oficiais.

"Mataram 20 passageiros de dois autocarros e seis ficaram feridos", disse o assistente do comissário da cidade de Mastung, Muhammad Ismael.

Segundo a fonte, os autocarros, que faziam a ligação entre Quetta e Karachi, a segunda cidade mais importante do Paquistão, foram sequestrados na localidade de Mastung, a 50 quilómetros de Quetta.

Depois do ataque, o gabinete do primeiro-ministro paquistanês, Nawaz Sharif, pediu, em comunicado, a detenção dos responsáveis por aquele "horrendo crime".

O ataque ocorreu duas semanas depois de 45 pessoas que seguiam num autocarros para Karachi terem sido assassinadas, num atentado reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico.

Baluchistan é a província mais extensa e menos povoada do Paquistão e faz fronteira com o Afeganistão e o Irão. 

Lusa
  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18