sicnot

Perfil

Mundo

Felipe VI mudou a imagem da monarquia espanhola no espaço de um ano

Felipe VI celebra em junho um ano como Rei de Espanha e, para já, pode orgulhar-se de ter conseguido inverter a desconfiança dos espanhóis na monarquia, que agora alcança níveis altos de popularidade e respeito. 

© Andrea Comas / Reuters

Quando a 02 de junho de 2014 Juan Carlos abdicou da coroa espanhola a popularidade da monarquia junto dos espanhóis estava no nível mais baixo desde a transição da ditadura franquista. 

Uma sondagem do Centro de Investigações Sociológicas (CIS) indicava que os espanhóis avaliavam a monarquia com 3,72 valores numa escala de 10, menos de metade dos 7,46 valores de 1994.

Na raiz desse desgaste de Juan Carlos estavam problemas de saúde, escândalos de corrupção com membros da família real, uma caricata viagem de caça ao Botsuana e um relacionamento extramatrimonial com Corinna zu Sayn-Wittgenstein. 

Duas semanas depois de Juan Carlos abdicar, a 19 de junho, o seu filho ascenderia ao trono como Felipe VI. 

Em um ano muita coisa mudou na atitude da Casa Real e do próprio Rei, cujas escolhas - quer de destinos de viagens oficiais, quer das palavras utilizadas nos discursos oficiais - foram e são minuciosamente analisadas pela imprensa espanhola.

No seu primeiro discurso no parlamento espanhol - ao assumir o cargo - Felipe VI centrou a sua mensagem na unidade da nação, no papel da Coroa e na honestidade de quem tem cargos públicos. Naquele discurso estava o guião das suas prioridades para um ano de reinado.

Felipe VI falou numa "monarquia renovada para um tempo novo", na qual o Rei é uma "referência" dos princípios éticos exigidos pelos cidadãos. E diria que "em Espanha cabem todos", "cabem as diferentes formas de cada um se sentir espanhol".

Para contribuir para a unidade nacional espanhola, Felipe VI privilegiou a Catalunha e o País Basco na sua agenda institucional.

Envolvida num cada vez mais intenso debate independentista, a Catalunha foi a primeira comunidade espanhola que Felipe VI visitou após a proclamação.

Ao longo dos últimos 12 meses, as visitas do Rei à Catalunha multiplicaram-se. Em terras catalãs as mensagens de Felipe VI centram-se nas vantagens de "trabalhar juntos", considerando que esta é a melhor forma de "atingir grandes objetivos".

E na frente basca, Felipe VI conseguiu que o presidente autonómico, o 'lehendakari' Iñigo Urkullu, garantisse após uma reunião no Palácio Real (Palácio de La Zarzuela) que "Euskadi (o País Basco) não iria quebrar a lei".

Quanto a viagens oficiais, Portugal surge em lugar de destaque, já que foi o primeiro destino de Felipe VI e da rainha Letícia após a cerimónia de coroação. A visita a Portugal não foi uma visita de Estado (a primeira de Felipe VI seria a França, em março), mas deu a indicação da importância histórica de Portugal para a monarquia espanhola.

Num ano, o novo Rei fez menos de 20 viagens oficiais ao estrangeiro, das quais quatro para visitar outras monarquias. Além de Portugal e França (primeira visita de Estado, que foi interrompida devido à tragédia nos Alpes com o avião da German Wings), Felipe VI esteve no Vaticano, Marrocos, Holanda, Bélgica, Alemanha, México e Etiópia.

Internamente, para "limpar" a imagem da família real espanhola, Felipe VI tomou medidas em várias frentes: remunerações, transparência das contas da família e um novo regime de incompatibilidades.

O novo Rei baixou o seu salário em 20%. Ainda recebe 234.204 euros ao ano, mas este valor representa menos 58.548 euros do que recebia Juan Carlos.

Também impôs uma auditoria externa às contas da Casa do Rei e proibiu a família real espanhola de trabalhar em empresas privadas, estando limitada a trabalho "de natureza institucional".

Proibidos estão também os presentes além das "lembranças de cortesia" trazidas por dignitários. Ao longo do seu reinado, o rei Juan Carlos recebeu presentes de elevado valor monetário, como por exemplo dois automóveis Ferrari.

Um trabalho que rendeu os seus frutos um ano depois de ter assumido a Coroa. A mais recente sondagem do CIS indica que o reinado de Felipe VI recebe a aprovação do povo espanhol: 57,4% dos espanhóis está a favor da forma como o rei desempenha a sua função. 

E a Monarquia é agora uma das instituições com melhor pontuação em Espanha, com 4,34 em 10 valores, quase um valor mais do que em abril de 2014.


Lusa
  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.