sicnot

Perfil

Mundo

Amantes despedem-se dos cadeados do amor

GALERIA DE FOTOS

O município de Paris começou hoje a retirar, da Pont des Arts, milhares de "cadeados do amor" que estão presos à ponte.

Cadeados do amor, na Pont des Arts, em Paris.

Cadeados do amor, na Pont des Arts, em Paris.

© John Schults / Reuters

Cadeados do amor na Pont des Arts.

Cadeados do amor na Pont des Arts.

© John Schults / Reuters

Casal de noivos beijam-se junto à Pont des Arts, onde milhares de namorados e casados, selam o amor com cadeados presos na ponte.

Casal de noivos beijam-se junto à Pont des Arts, onde milhares de namorados e casados, selam o amor com cadeados presos na ponte.

© John Schults / Reuters

Funcionários do município de Paris retiram as grades da Pont des Arts que vão ser substituídas por painéis de madeira.

Funcionários do município de Paris retiram as grades da Pont des Arts que vão ser substituídas por painéis de madeira.

© John Schults / Reuters

Funcionários do município de Paris retiram as grades da Pont des Arts que vão ser substituídas por painéis de madeira.

Funcionários do município de Paris retiram as grades da Pont des Arts que vão ser substituídas por painéis de madeira.

© Philippe Wojazer / Reuters

A degradação da ponte e o colapso das grades, devido ao peso do metal, obrigou o município a remover os cadeados.

A degradação da ponte e o colapso das grades, devido ao peso do metal, obrigou o município a remover os cadeados.

© Philippe Wojazer / Reuters

Funcionários do município de Paris retiram as grades da Pont des Arts que vão ser substituídas por painéis de madeira.

Funcionários do município de Paris retiram as grades da Pont des Arts que vão ser substituídas por painéis de madeira.

© Philippe Wojazer / Reuters

Cadeado do amor, preso na Pont des Arts em Paris.

Cadeado do amor, preso na Pont des Arts em Paris.

© Charles Platiau / Reuters

Funcionários do município de Paris retiram as grades da Pont des Arts que vão ser substituídas por painéis de madeira.

Funcionários do município de Paris retiram as grades da Pont des Arts que vão ser substituídas por painéis de madeira.

© Philippe Wojazer / Reuters

Funcionários do município de Paris retiram as grades da Pont des Arts que vão ser substituídas por painéis de madeira.

Funcionários do município de Paris retiram as grades da Pont des Arts que vão ser substituídas por painéis de madeira.

© Philippe Wojazer / Reuters

Pode ser visto como um "mau presságio" para os milhares de amantes que, um dia, decidiram selar o amor, com um cadeado, a uma ponte. Não se trata de uma ponte qualquer. É a Pont des Arts, em Paris, a cidade do amor.

Foram tantos, os amantes, ou melhor, os cadeados, que a ponte não aguentou. Em 2012, o gradeado desabou, sem causar vitimas. Não pela emoção mas pelo peso. Afinal são 700 mil cadeados, qualquer coisa como 45 toneladas de metal, ou se quiser, o equivalente ao peso de 20 elefantes. 

A cidade de Paris decidiu, então, agir. Vai retirar os cadeados das grades. A "operação" arranca hoje.

A tradição não tem muito tempo. Conta-se que, surgiu em Roma, depois da cena de um filme ter "selado" o amor com um cadeado numa ponte. A ideia foi-se espalhando e chegou a Paris em 2008.

A partir dai, milhares de casais começaram a fazer o mesmo. Prendiam os cadeados às grades da Pont des Arts e atiravam as chaves ao rio Sena. Acreditam que, desta forma, o amor durará para sempre. O amor até pode durar, mas os cadeados, na ponte, é que não. Estão a contribuir para a degradação da ponte bicentenária, inserida no distrito Património Mundial da UNESCO. 

Quando a mandou construir, em 1804, Napoleão estaria longe de imaginar que, algum dia, a Pont des Arts iria estar ligada a uma tradição como esta, já que foi projetada apenas para o tráfego de pedestres.

E é essa funcionalidade, que as autoridades parisienses, querem manter. Com uma diferença: as grades vão ser substituídas, inicialmente, por painéis de madeira com "obras de vários artistas" e depois "painéis de vidro".

O município de Paris pede aos amantes desta tradição que tirem "selfies", ou adiram aos "cadeados virtuais", conhecidos como " love locks". 




  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras

  • Greve na Função Pública vai afetar escolas, saúde e cultura

    País

    A greve nacional convocada para sexta-feira pela Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública (FNSTFPS) deverá afetar as escolas, a área da saúde e ainda da cultura, entre outros serviços, afirmou esta quarta-feira a dirigente sindical, Ana Avoila.

  • Marcelo comenta comparação de Centeno a Ronaldo

    País

    O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, comentou esta quarta-feira a comparação que o ministro das Finanças alemão terá feito entre Mário Centeno e Ronaldo, considerando que "quem quer que disse isso, por uma vez não pensou mal".