sicnot

Perfil

Mundo

Focas ajudam cientistas a recolher dados em zonas remotas dos oceanos

Focas equipadas com sensores estão a ajudar cientistas a recolher dados nos cantos mais remotos dos oceanos, contribuindo para a pesquisa sobre aquecimento global, gelo oceânico e meteorologia.

© Francois Lenoir / Reuters

Os cientistas envolvidos no projeto, que conta com participação brasileira, lançaram hoje o portal "Mamíferos Marinhos Exploradores dos Oceanos de Polo a Polo" (www.meop.com) com os resultados recolhidos durante a investigação, que começou em 2004 e já envolveu mais de 1.000 focas. 

"Estão a captar informação em locais de onde praticamente não havia dados antes, é único", disse à agência France Presse (AFP) Mike Fedak, chefe da Unidade de Pesquisa de Mamíferos Marinhos na universidade de Saint Andrew's (Reino Unido), onde os sensores foram desenvolvidos. 

"Estes dados podem ser usados de muitas formas diferentes, incluindo para medir o impacto do movimento dos glaciares nos oceanos", acrescentou o investigador. 

Os sensores, colocados na cabeça das focas, têm uma bateria com autonomia para vários meses de funcionamento e recolhem medições de salinidade e temperatura da água que são depois transmitidas para os investigadores via satélite em curtas mensagens.

Outros sensores em desenvolvimento medirão o nível de oxigénio na água e a quantidade de clorofila - o pigmento verde responsável pela fotossíntese nas plantas-, dados úteis para medir os níveis de dióxido de carbono e controlar o fenómeno da acidificação dos oceanos. 

Desde o início do projeto, foram produzidos cerca de 400.000 "perfis ambientais" com os dados que são recolhidos durante os mergulhos das focas, que podem chegar até aos 2.100 metros de profundidade.

"A informação enviada de volta dá-nos detalhes sobre o ambiente físico imediato das focas, é como 'twittar'", revelou Lars Boehme, professor em St. Andrew's.

Os sensores não são invasivos e caem quando as focas mudam periodicamente de pele. Também já foram experimentados em cerca de 100 espécies marinhas, incluindo tartarugas, baleias e tubarões.

Segundo Mike Fedak, os aparelhos "não são fáceis de construir, requerem software sofisticado e têm energia limitada", sendo necessário "aproveitar ao máximo a bateria" para que esta dure 10 meses no inverno antártico.

O projeto envolve um consórcio internacional de 11 países e inclui cientistas do Reino Unido, Austrália, Canadá, China, França, Alemanha, Gronelândia, Noruega, África do Sul, Estados Unidos e Brasil.

Lusa
  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de cinco anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15

    Opinião

    José Gomes Ferreira diz que as pessoas que ateiam fogo nas florestas sabem "estudar os dias e o vento para arder o máximo possível". Em entrevista no Jornal da Noite, o diretor-adjunto de Informação da SIC, fala na importância de haver uma auditoria para tentar perceber o porquê de haver tantas ignições e saber se há alguém que ganhe com esta vaga de incêndios. 

    José Gomes Ferreira

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.