sicnot

Perfil

Mundo

Maio foi o mês mais sangrento de 2015 na Síria

Maio foi, até agora, o mês mais sangrento deste ano na Síria, com pelo menos 6.657 mortos na guerra no país, segundo informação divulgada hoje pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), citado pela Agência France Presse (AFP). 

© Hassan Abdallah / Reuters

De acordo com a organização, baseada em Londres e que monitoriza a guerra civil no país, o número inclui pelo menos 1.285 civis, mais de metade vítimas dos ataques aéreos do regime.

O enviado da Organização das Nações Unidas para a Paz na Síria, Staffan de Mistura, condenou no domingo o bombardeamento de bairros civis pelo regime, ações que considerou "totalmente inaceitáveis".

O OSDH informa ainda que 793 dos mortos de maio eram militantes das forças rebeldes e curdas, enquanto as vítimas entre os 'jihadistas' - incluindo os grupos radicais Estado Islâmico e a Frente al-Nusra (afiliada da al-Qaeda) - foram 2.109.

Segundo as contas do OSDH, 2.242 elementos do regime foram mortos, a maior parte soldados, e o número inclui 208 estrangeiros pró-regime, entre eles militantes do movimento xiita libanês Hezbollah.

Os dados de maio representam um aumento de mais de 2.000 mortos em comparação com abril, que contou com 4.458 vítimas da guerra.

Durante o mês de maio, várias ofensivas violentas contra as forças governamentais resultaram em perdas de território por parte das forças de Assad em diferentes regiões da Síria.

O grupo Estado Islâmico tomou o controlo da cidade histórica de Palmyra a 21 de maio, depois de nove dias de combates, e grupos rebeldes liderados pela Frente al-Nusra expulsaram as forças do regime de várias áreas e povoações na província de Idlib, no noroeste do país.

Desde o seu começo em março de 2011, o conflito na Síria já fez cerca de 220.000 mortos e causou milhões de refugiados.

Lusa
  • "Nobel é um incentivo para toda uma nação"
    1:19

    Mundo

    O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos recebeu ao início da tarde na Noruega o prémio pelo trabalho que desenvolveu junto das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, FARC. As cerimónias são este sábado e marcadas pela ausência do Nobel da Literatura, Bob Dylan.

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55

    Football Leaks

    Com o escândalo dos agentes de futebol a dar que falar, o Expresso revela este sábado os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa. O nome da empresa de que é administrador, a Energy Soccer, surge na investigação em transferências de jogadores que envolvem o Futebol Clube do Porto num conflito de interesses.

  • Sol e calor ficam para o Natal
    1:50

    País

    Com o Natal à porta, o sol teima em ficar um pouco por todo o país. Até a norte as temperaturas estão altas para esta época do ano com o distrito do Porto a rondar os 18 graus.

  • A história da guerra em Alepo
    7:43
  • Uma "cidade fantasma" na Letónia
    3:10