sicnot

Perfil

Mundo

Maio foi o mês mais sangrento de 2015 na Síria

Maio foi, até agora, o mês mais sangrento deste ano na Síria, com pelo menos 6.657 mortos na guerra no país, segundo informação divulgada hoje pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), citado pela Agência France Presse (AFP). 

© Hassan Abdallah / Reuters

De acordo com a organização, baseada em Londres e que monitoriza a guerra civil no país, o número inclui pelo menos 1.285 civis, mais de metade vítimas dos ataques aéreos do regime.

O enviado da Organização das Nações Unidas para a Paz na Síria, Staffan de Mistura, condenou no domingo o bombardeamento de bairros civis pelo regime, ações que considerou "totalmente inaceitáveis".

O OSDH informa ainda que 793 dos mortos de maio eram militantes das forças rebeldes e curdas, enquanto as vítimas entre os 'jihadistas' - incluindo os grupos radicais Estado Islâmico e a Frente al-Nusra (afiliada da al-Qaeda) - foram 2.109.

Segundo as contas do OSDH, 2.242 elementos do regime foram mortos, a maior parte soldados, e o número inclui 208 estrangeiros pró-regime, entre eles militantes do movimento xiita libanês Hezbollah.

Os dados de maio representam um aumento de mais de 2.000 mortos em comparação com abril, que contou com 4.458 vítimas da guerra.

Durante o mês de maio, várias ofensivas violentas contra as forças governamentais resultaram em perdas de território por parte das forças de Assad em diferentes regiões da Síria.

O grupo Estado Islâmico tomou o controlo da cidade histórica de Palmyra a 21 de maio, depois de nove dias de combates, e grupos rebeldes liderados pela Frente al-Nusra expulsaram as forças do regime de várias áreas e povoações na província de Idlib, no noroeste do país.

Desde o seu começo em março de 2011, o conflito na Síria já fez cerca de 220.000 mortos e causou milhões de refugiados.

Lusa
  • Tragédia de Pedrógão Grande, seis meses depois

    País

    O incêndio que deflagrou há seis meses no concelho de Pedrógão Grande e que alastrou a concelhos vizinhos fez 66 mortos e 253 feridos, sete dos quais graves, destruiu meio milhar de casas e quase 50 empresas. Quarenta e sete das vítimas mortais seguiam em viaturas, no dia 17 de junho, e ficaram cercadas pelas chamas na EN (estrada nacional) 236-1, entre Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos ou em acessos a esta via.

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC