sicnot

Perfil

Mundo

Maio foi o mês mais sangrento de 2015 na Síria

Maio foi, até agora, o mês mais sangrento deste ano na Síria, com pelo menos 6.657 mortos na guerra no país, segundo informação divulgada hoje pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), citado pela Agência France Presse (AFP). 

© Hassan Abdallah / Reuters

De acordo com a organização, baseada em Londres e que monitoriza a guerra civil no país, o número inclui pelo menos 1.285 civis, mais de metade vítimas dos ataques aéreos do regime.

O enviado da Organização das Nações Unidas para a Paz na Síria, Staffan de Mistura, condenou no domingo o bombardeamento de bairros civis pelo regime, ações que considerou "totalmente inaceitáveis".

O OSDH informa ainda que 793 dos mortos de maio eram militantes das forças rebeldes e curdas, enquanto as vítimas entre os 'jihadistas' - incluindo os grupos radicais Estado Islâmico e a Frente al-Nusra (afiliada da al-Qaeda) - foram 2.109.

Segundo as contas do OSDH, 2.242 elementos do regime foram mortos, a maior parte soldados, e o número inclui 208 estrangeiros pró-regime, entre eles militantes do movimento xiita libanês Hezbollah.

Os dados de maio representam um aumento de mais de 2.000 mortos em comparação com abril, que contou com 4.458 vítimas da guerra.

Durante o mês de maio, várias ofensivas violentas contra as forças governamentais resultaram em perdas de território por parte das forças de Assad em diferentes regiões da Síria.

O grupo Estado Islâmico tomou o controlo da cidade histórica de Palmyra a 21 de maio, depois de nove dias de combates, e grupos rebeldes liderados pela Frente al-Nusra expulsaram as forças do regime de várias áreas e povoações na província de Idlib, no noroeste do país.

Desde o seu começo em março de 2011, o conflito na Síria já fez cerca de 220.000 mortos e causou milhões de refugiados.

Lusa
  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.