sicnot

Perfil

Mundo

Desmantelado acampamento com mais de 350 imigrantes no centro de Paris

Galeria de fotos

Dezenas de agentes franceses desmantelaram hoje um acampamento no centro de Paris, onde viviam há meses mais de 350 imigrantes oriundos do Sudão, Eritreia, Somália e Egito.  

reuters

reuters

reuters

reuters

Reuters

reuters

Mais de 350 refugiados -- a maioria do Sudão -- viviam num acampamento improvisado debaixo de uma passagem aérea entre as estações de metro de La Chapelle e Barbes-Rochechouart, no norte da capital francesa.

Os refugiados -- na sua maioria homens, embora também haja várias famílias -- esperavam para embarcar em autocarros com destino a diversos abrigos na zona de Paris.

O acampamento surgiu no verão do ano passado, mas cresceu em abril com as boas condições meteorológicas a levarem milhares de migrantes a cruzarem o Mediterrâneo a partir do norte de África com destino à Europa.

As autoridades francesas, que durante o fim de semana colocaram sinais e ordenaram a saída dos migrantes da zona num prazo de 48 horas, evacuaram o local durante a manhã de hoje.

Segundo um inquérito realizado no local, na semana, pelas autoridades da cidade e associações de refugiados, 160 pessoas que se encontravam no acampamento pretendiam ficar em França, enquanto 200 manifestaram intenção de seguir para outros destinos, sobretudo Reino Unido e países nórdicos.

O risco de epidemia, nomeadamente de sarna, terá sido apontado como justificação para a rápida evacuação do local.

Desde o início do ano, mais de 40 mil imigrantes -- a maioria fugidos de conflitos e da pobreza de países como a Líbia e a Eritreia -- alcançaram as costas italianas, enquanto cerca de 1.770 morreram durante a perigosa travessia.


  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52