sicnot

Perfil

Mundo

Fabricante estatal russo diz que voo MH17 foi abatido por míssil da era soviética

Um fabricante estatal russo de mísseis afirmou hoje que o voo MH17 da Malaysia Airlines que caiu no leste da Ucrânia em 2014 foi provavelmente abatido pelo sistema de mísseis BUK, um equipamento produzido na era soviética.

© MAXIM ZMEYEV / Reuters

Os 298 passageiros e elementos da tripulação do Boeing 777 da Malaysia Airlines, dos quais dois terços eram holandeses, morreram a 17 de julho do ano passado, quando o aparelho foi abatido ao sobrevoar aquela região ucraniana, controlada pelos separatistas pró-russos.  

"A primeira fase da nossa investigação mostrou que o tipo de sistema de mísseis usado foi o BUK-M1", referiu um representante do fabricante estatal de mísseis Almaz-Antey, Mikhail Malyshevsky, numa conferência de imprensa, citada pelas agências noticiosas russas.  

Representantes da empresa estatal afirmaram que os mísseis BUK-M1 não são produzidos na Rússia desde 1999, acrescentando que este equipamento da era soviética consta no arsenal das forças armadas da Ucrânia. 

A Almaz-Antey declarou ainda que o míssil terá sido provavelmente disparado perto da aldeia de Zaroshchenske, a sul da rota de voo do avião de passageiros da Malaysia Airlines, que fazia a ligação entre Amesterdão e Kuala Lumpur.

A Ucrânia e os aliados ocidentais acusaram os rebeldes pró-russos de terem abatido o avião com um míssil BUK fornecido por Moscovo. 

O ministro da Defesa russo negou qualquer envolvimento no acidente e atribuiu responsabilidades ao sistema de mísseis ucraniano ou a outro aparelho. 

Investigadores internacionais e holandeses recolheram restos humanos e destroços do aparelho no local da queda e devem divulgar um relatório final sobre as causas do acidente em meados de outubro deste ano.

O 'site' britânico de jornalismo de investigação independente Bellingcat divulgou no domingo um relatório que denunciou que o Ministério da Defesa russo terá manipulado as imagens de satélite relacionadas com a queda do voo MH17 com o objetivo de incriminar as autoridades ucranianas.

Lusa
  • "Só numa ditadura é possível tentar esconder o número de vítimas"
    0:51

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O primeiro-ministro diz que é "lamentável" a tentativa de aproveitamento político à volta dos incêndios. António Costa esteve esta quarta-feira à tarde na Autoridade Nacional de Proteção Civil e, no final do briefing, disse que é preciso confiança nas instituições do Estado. O primeiro-ministro deixou ainda muitas críticas à oposição no caso da lista de vítimas de Pedrógão Grande.

  • Sociedade de Pneumologia recomenda cuidados com calor e incêndios

    País

    A Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) alertou esta quarta-feira para os riscos respiratórios decorrentes dos incêndios e temperaturas elevadas, sobretudo para quem sofre de doenças crónicas, propondo medidas preventivas e recordando o aumento de mortalidade associado ao calor.

  • E os 10 mais ricos de Portugal são...

    Economia

    A família Amorim lidera a lista dos mais ricos do país, com uma fortuna avaliada em 3840 milhões de euros. Em segundo lugar surge Alexandre Soares dos Santos com 2532 milhões de euros. A família Guimarães de Mello ainda entra para o top 3, com um valor de 1471 milhões de euros. A lista foi elaborada pela revista EXAME, que conclui que os ricos estão ainda mais ricos, pela quarta vez consecutiva.

    Bárbara Ferreira

  • "Estou grávida! Estou a morrer!"
    1:14
  • Mulher vive sozinha numa ilha há 40 anos

    Mundo

    Zoe Lucas é a única pessoa a viver numa ilha canadiana, no norte do Atlântico. Nas últimas quatro décadas, a mulher de 67 tem partilhado a ilha Sable com cerca de 400 cavalos selvagens e 350 espécies de pássaros.