sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 440 pessoas ainda desaparecidas em naufrágio no rio Yangtze, China

Mais de 440 pessoas que viajam a bordo do navio naufragado na segunda-feira à noite no rio Yangtze, na China, a maioria idosos entre os 50 e 80 anos, continuavam desaparecidas cerca de 17 horas depois do acidente.

Sobrevivente do naufrágio no rio Yangtze, China.

Sobrevivente do naufrágio no rio Yangtze, China.

© China Stringer Network / Reut

Um balanço difundido cerca das 15:00 (08:00 em Lisboa) pela agência noticiosa oficial chinesa Xinhua indicava cinco mortos confirmados e doze pessoas resgatadas.

O naufrágio poderá ser o pior do género registado em décadas na China, disse a Xinhua.

 Mergulhadores conseguiram salvar uma mulher de 65 anos que se encontrava dentro do navio, mas ao início da manhã (hora local), o vento forte e a chuva estavam a dificultar as operações de busca e salvamento.

O acidente ocorreu na segunda-feira à noite, cerca das 21:30, quando o navio "Dongfangzhixing" (Estrela do Oriente) foi atingido por ventos de 130 quilómetros à hora.

O capitão e o engenheiro-chefe da embarcação, entretanto detidos, disseram que o barco se afundou "no espaço de um a dois minutos".

"Foi tão rápido que o capitão nem teve tempo de dar sinal de alerta", disse Wang Yangsheng, funcionário superior do Centro de Socorro Marítimo de Yuegang, citado pela agência Xinhua.

Na altura, seguiam a bordo 406 passageiros e 47 tripulantes.

As idades dos passageiros vão dos 3 aos 83 anos, mas a maioria está na casa dos 60 e 70. 

O barco, com 76 metros de comprimento e quatro andares, seguia de Nanjing para Chongqing, duas das grandes cidades atravessadas pelo rio Yangtze. 

Mais de uma centena de barcos e quase cinco mil pessoas, entre as quais 1.840 soldados e 1.600 agentes da polícia, foram mobilizados para as operações de busca e salvamento, indicou a imprensa oficial.

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, deslocou-se também ao local do naufrágio, uma zona com 15 metros de profundidade, situada em Jianli, na província de Hubei.

Com quase 20 anos de serviço e capacidade para transportar 534 pessoas, o "Dongfangzhixing" fazia regularmente passeios turísticos no Yangtze.

Trata-se do terceiro maior rio do mundo, a seguir ao Nilo e ao Amazonas, com 6.300 quilómetros de extensão.



Lusa
  • Centenas de desaparecidos em naufrágio na China
    0:45

    Mundo

    Um barco com 458 passageiros naufragou ontem na zona sul do rio Yangzte, na província de Hubei, na China. Pelo menos 13 pessoas foram resgatadas numa operação de salvamento dificultada por ventos e chuvas fortes. De acordo com a cadeia britânica BBC, cinco pessoas morreram e centenas continuam desaparecidas. Cerca de 30 navios estão no local. O primeiro-ministro chinês também se deslocou à zona do naufrágio. O capitão do navio foi uma das pessoas resgatadas. Contou que o acidente terá ocorrido quando o barco foi atingido por ventos de 130 quilómetros por hora e que se afundou no espaço de um ou dois minutos.

  • Novas buscas no Universo Espírito Santo

    Queda do BES

    O Ministério Público voltou a fazer buscas no âmbito dos processos do Universo Espírito Santo. A SIC sabe que ontem e hoje os investigadores recolheram provas em diversos locais do continente e também na Madeira, nomeadamente em residências, empresas e entidades bancárias.

    Notícia SIC

  • Visitar a região afetada pelo fogos é uma forma de ajudar na recuperação
    3:07
  • Carvalhal do Sapo tenta recuperar a vida normal após incêndio
    2:33

    País

    As populações das aldeias de Góis tentam voltar à normalidade, ao fim de vários dias rodeadas por um grande dispositivo de operacionais. A repórter Cristina Freitas esteve hoje em Carvalhal do Sapo, onde se realizou mais um funeral de uma das vítimas do incêndio de Pedrógão Grande.

  • Falta de médicos e de ofertas de emprego preocupa habitantes da Guarda
    5:13
  • "Do ponto de vista interno a candidatura do Porto é a melhor" 
    0:50

    País

    António Costa admite que a candidatura da cidade do Porto para receber a Agência Europeia do Medicamento seria a melhor para Portugal. No entanto o primeiro-ministro diz que é preciso avaliar se a candidatura do Porto é a que tem mais hipóteses de ganhar, quando comparada com outras cidades europeias. 

  • Daesh divulga imagens da destruição da mesquita de Mossul
    1:58
  • "Podemos ser atendidos por um médico branco?"
    0:58