sicnot

Perfil

Mundo

Obama apela a Myanmar para acabar com discriminação contra minoria rohingya

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, desafiou Myanmar a acabar com a discriminação contra os rohingya, a minoria muçulmana no coração da crise migratória na Ásia.

reuters

"Uma das coisas mais importantes é acabar com a discriminação das pessoas com base na sua aparência ou nas suas crenças", disse Barack Obama na segunda-feira à noite, numa referência expressa aos rohingyas, passível de suscitar o desagrado das autoridades birmanesas que não reconhecem a minoria étnica.

As dificuldades dos rohingyas, dos quais 1,3 milhões vivem no oeste da Birmânia que nega cidadania à maioria, têm estado em foco nas últimas semanas devido à crise que atinge o sudeste asiático.

Cerca de 3.500 pessoas, principalmente rohingyas ou migrantes económicos oriundos do Bangladesh, chegaram à Tailândia, Malásia e Indonésia, sendo que se teme que milhares de outros estejam ainda a bordo de embarcações à deriva no mar.

Milhares de rohingya têm vivido em campos de deslocados desde 2012 quando uma vaga de violência étnica eclodiu no estado de Rakhine, no oeste da Birmânia.

"Os rohingya têm sido significativamente discriminados e essa é parte da razão pela qual estão a fugir", afirmou Obama, em Washington, num evento com jovens líderes do sudeste asiático.

"Penso que se fosse um rohingya, gostaria de ficar onde nasci. Mas gostaria de ter a certeza de que o meu governo estava a proteger-me e que as pessoas me estavam a tratar de forma justa", afirmou.

É por isso, acrescentou Barack Obama, "que é tão importante, na minha opinião, como parte da transição democrática, levar a sério este assunto sobre a forma como os rohingya são tratados".

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.