sicnot

Perfil

Mundo

Obama considera que Israel arrisca-se a perder credibilidade por causa de Netanyahu

O Presidente dos Estados Unidos da América (EUA), em entrevista transmitida hoje na televisão israelita, que Israel arrisca-se a "perder credibilidade", devido às posições do seu primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, sobre a criação do Estado palestiniano. 

© Kevin Lamarque / Reuters

Barack Obama fez o comentário a uma televisão israelita em resposta a uma questão sobre as afirmações de Netanyahu a propósito da criação de um Estado palestiniano, feitas antes e depois das eleições de março passado. 

Netanyahu desencadeou uma vaga de preocupação internacional quando excluiu o estabelecimento de um Estado palestiniano, durante a a a campanha para as eleições de 17 de março, mas mais tarde recuou. 

"O perigo é Israel perder credibilidade", disse Obama, durante a entrevista passada no canal 2, acentuando que "a comunidade internacional já não acredita que Israel esteja com seriedade na questão da solução dos dois Estados". 

No domingo passado, Netanyahu garantiu que estava comprometido com o estabelecimento de um Estado palestiniano, apelando à liderança palestiniana para regressar às conversações, sem condições prévias. 

Porém, Obama afirmou que as declarações de Netanyahu sobre o assunto depois das eleições têm tido "tantas condições, que não é realista pensar que estas alguma vez sejam concretizadas num futuro próximo". 

Para acentuar esta posição, Obama acrescentou: "Penso que é difícil aceitar pelo seu valor facial a declaração feita depois das eleições, que parece apenas um esforço para regressar ao 'status quo', em que se fala sobre paz no abstrato, mas sempre para amanhã, sempre para mais tarde". 

Questionado sobre a continuidade da política dos EUA de vetar na Organização das Nações Unidas (ONU) as resoluções condenatórias de Israel, Obama respondeu que a falta de progressos nas negociações de paz "dificultaria" essa política. 








Lusa
  • Paula Brito e Costa continua a trabalhar na Raríssimas

    País

    Depois de ter apresentado a demissão do cargo de presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa mantém-se a exercer funções na associação, apurou a SIC. Identifica-se agora como diretora-geral e já comunicou isso mesmo a alguns funcionários.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.