sicnot

Perfil

Mundo

Obama considera que Israel arrisca-se a perder credibilidade por causa de Netanyahu

O Presidente dos Estados Unidos da América (EUA), em entrevista transmitida hoje na televisão israelita, que Israel arrisca-se a "perder credibilidade", devido às posições do seu primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, sobre a criação do Estado palestiniano. 

© Kevin Lamarque / Reuters

Barack Obama fez o comentário a uma televisão israelita em resposta a uma questão sobre as afirmações de Netanyahu a propósito da criação de um Estado palestiniano, feitas antes e depois das eleições de março passado. 

Netanyahu desencadeou uma vaga de preocupação internacional quando excluiu o estabelecimento de um Estado palestiniano, durante a a a campanha para as eleições de 17 de março, mas mais tarde recuou. 

"O perigo é Israel perder credibilidade", disse Obama, durante a entrevista passada no canal 2, acentuando que "a comunidade internacional já não acredita que Israel esteja com seriedade na questão da solução dos dois Estados". 

No domingo passado, Netanyahu garantiu que estava comprometido com o estabelecimento de um Estado palestiniano, apelando à liderança palestiniana para regressar às conversações, sem condições prévias. 

Porém, Obama afirmou que as declarações de Netanyahu sobre o assunto depois das eleições têm tido "tantas condições, que não é realista pensar que estas alguma vez sejam concretizadas num futuro próximo". 

Para acentuar esta posição, Obama acrescentou: "Penso que é difícil aceitar pelo seu valor facial a declaração feita depois das eleições, que parece apenas um esforço para regressar ao 'status quo', em que se fala sobre paz no abstrato, mas sempre para amanhã, sempre para mais tarde". 

Questionado sobre a continuidade da política dos EUA de vetar na Organização das Nações Unidas (ONU) as resoluções condenatórias de Israel, Obama respondeu que a falta de progressos nas negociações de paz "dificultaria" essa política. 








Lusa
  • Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já têm cadastro
    1:59

    Crise no Sporting

    Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já foram condenados por 22 crimes que cometeram no passado, mas nunca nenhum deles cumpriu pena de prisão ou prisão domiciliária. O juiz decretou a prisão preventiva na sequência das agressões à equipa do Sporting por entender que se tratou de um comportamento chocante, terrorista e a perversão do espírito desportivo.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • MP investiga ministro Siza Vieira, António Costa rejeita incompatibilidades
    2:12

    País

    O Ministério Público decidiu investigar o ministro Adjunto, Pedro Siza Vieira, por alegadas incompatibilidades. O governante criou uma empresa imobiliária um dia antes de tomar posse e manteve-se como gerente durante dois meses. A lei prevê a demissão, mas o primeiro-ministro já disse que se tratou apenas de um erro e o próprio ministro alega desconhecimento da lei.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.