sicnot

Perfil

Mundo

Treze mortos e 24 feridos em atentado num mercado na Nigéria

Treze pessoas morreram e 24 ficaram hoje feridas quando um bombista suicida se fez explodir num mercado de gado cheio de gente na cidade nigeriana de Maiduguri, a maior do nordeste do país, indicou a Cruz Vermelha Nigeriana.

STR

O porta-voz da Cruz Vermelha para o nordeste da Nigéria, Umar Sadiq, disse numa mensagem escrita que havia "treze mortos e 24 feridos" que foram transportados para dois hospitais da cidade para receber tratamento.  

A explosão abalou a capital do estado de Borno pelas 13:00 locais (mesma hora em Lisboa), no momento em que os vendedores se preparavam para arrumar as mercadorias e dar o dia por encerrado, indicaram membros de milícias civis que combatem o grupo extremista islâmico Boko Haram. 

"Estamos a tentar separar os restos humanos das carcaças de gado espalhadas por todo o lado", disse um combatente, Shettima Bulama, citado pela agência de notícias francesa, AFP.

"O 'kamikaze' escolheu o local mais frequentado do mercado para detonar os seus explosivos", precisou Bulama. 

Outro membro de uma milícia privada de autodefesa, que falou a coberto do anonimato por razões de segurança, fez um relato semelhante ao de Bulama. 

Segundo alguns órgãos de comunicação social nigerianos, o bombista suicida chegou ao local do atentado num veículo todo-o-terreno.

Maiduguri, bastião histórico do Boko Haram -- o movimento nasceu ali, no início dos anos 2000 -, já tinha sido atacado com 'rockets' durante a madrugada de hoje, bem como no sábado.

Também no sábado, um 'kamikaze' fez-se explodir numa mesquita, matando 26 fiéis e ferindo 28. 

O Presidente nigeriano, Muhammadu Buhari, que tomou posse na sexta-feira, prometeu fazer da luta contra o Boko Haram a sua prioridade e anunciou querer deslocar para Maiduguri o centro de comando do exército encarregado do contraterrorismo, até agora situado em Abuja, a capital federal, situada a 850 quilómetros.

Lusa
  • Depois do Fogo
    23:30

    Reportagem Especial

    Foi o incêndio mais mortífero de que há memória. No dia 17 de junho, as chamas apanharam desprevenidos moradores de vários concelhos e fizeram pelo menos 64 mortos. O incêndio prolongou-se durante vários dias deixando um rasto de histórias de perda e de sobrevivência, mas também de solidariedade de um sem número de pessoas anónimas.

  • "A menina agora volta para casa. Nós não." 

    Foi o desabafo do Cesário que me fez escrever qualquer coisa sobre o que vivi na última semana. Eram dez e pouco da noite, tinha acabado a vigília de homenagem às vítimas em Figueiró dos Vinhos e ele ainda tinha na mão um balão branco que àquela hora já só estava meio cheio. Era o último dia de uma longa e dura jornada de trabalho e estávamos a arrumar as coisas para no dia seguinte regressarmos a Lisboa.

    Débora Henriques

  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • "A culpa morre sozinha?"
    0:41

    Opinião

    Luís Marques Mendes não acredita que o Ministério Público não formule uma acusação de homicídio por negligência e que não haja demissões na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. O comentador da SIC debateu o tema este domingo no Jornal da Noite da SIC.

    Luís Marques Mendes

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24

    País

    Pedrógão Grande fez reviver o drama vivido pelas gentes da Serra do Caldeirão no verão de 2012. Falta de bombeiros, moradores retirados à força, casas e floresta destruídas são semelhanças que encontram nestes dramas separados por cinco anos.

  • Novo avião da TAP com pintura retro
    0:36

    Economia

    O novo avião da TAP chama-se "Portugal", tem uma pintura retro e vai sobrevoar os céus do pais a partir desta segunda-feira. A companhia aérea explica que o nome e a pintura são uma forma de homenagear a ligação histórica entre a empresa e o país.