sicnot

Perfil

Mundo

Treze mortos e 24 feridos em atentado num mercado na Nigéria

Treze pessoas morreram e 24 ficaram hoje feridas quando um bombista suicida se fez explodir num mercado de gado cheio de gente na cidade nigeriana de Maiduguri, a maior do nordeste do país, indicou a Cruz Vermelha Nigeriana.

STR

O porta-voz da Cruz Vermelha para o nordeste da Nigéria, Umar Sadiq, disse numa mensagem escrita que havia "treze mortos e 24 feridos" que foram transportados para dois hospitais da cidade para receber tratamento.  

A explosão abalou a capital do estado de Borno pelas 13:00 locais (mesma hora em Lisboa), no momento em que os vendedores se preparavam para arrumar as mercadorias e dar o dia por encerrado, indicaram membros de milícias civis que combatem o grupo extremista islâmico Boko Haram. 

"Estamos a tentar separar os restos humanos das carcaças de gado espalhadas por todo o lado", disse um combatente, Shettima Bulama, citado pela agência de notícias francesa, AFP.

"O 'kamikaze' escolheu o local mais frequentado do mercado para detonar os seus explosivos", precisou Bulama. 

Outro membro de uma milícia privada de autodefesa, que falou a coberto do anonimato por razões de segurança, fez um relato semelhante ao de Bulama. 

Segundo alguns órgãos de comunicação social nigerianos, o bombista suicida chegou ao local do atentado num veículo todo-o-terreno.

Maiduguri, bastião histórico do Boko Haram -- o movimento nasceu ali, no início dos anos 2000 -, já tinha sido atacado com 'rockets' durante a madrugada de hoje, bem como no sábado.

Também no sábado, um 'kamikaze' fez-se explodir numa mesquita, matando 26 fiéis e ferindo 28. 

O Presidente nigeriano, Muhammadu Buhari, que tomou posse na sexta-feira, prometeu fazer da luta contra o Boko Haram a sua prioridade e anunciou querer deslocar para Maiduguri o centro de comando do exército encarregado do contraterrorismo, até agora situado em Abuja, a capital federal, situada a 850 quilómetros.

Lusa
  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Donald Trump já está no Vaticano 
    1:32