sicnot

Perfil

Mundo

Tribunal adia decisão sobre pena de morte de Morsi

O tribunal egípcio adiou a decisão, agendada para hoje, de condenar à morte o ex-presidente Mohamed Morsi.

© Amr Dalsh / Reuters

A justiça egípcia tinha agendada para hoje, terça-feira, a decisão de condenar, ou não, à morte o ex-presidente Mohamed Morsi.

Desconhecem-se ainda as razões do adiamento. Sabe-se, para já, que a sentença foi agora agendada para o dia 16 de junho.

Qualquer que seja a decisão, Mohamed Morsi poderá contestá-la nos 60 dias seguintes.

O antigo chefe de Estado foi condenado à morte, por ter planeado a fuga de uma cadeia nos arredores do Cairo, na companhia de mais de uma centena de militantes da Irmandade Muçulmana, durante a revolta de 2011.

Derrubado pelos militares em 2013, Morsi tinha sido já condenado em abril a uma primeira pena de 20 anos de prisão pela repressão dos protestos no Cairo em dezembro de 2012.

As autoridades militares, egípcias acusadas da morte de mais de um milhar de apoiantes de Morsi e militantes da Irmandade Muçulmana anunciaram na segunda-feira ter neutralizado uma alegada conspiração terrorista da organização islamita contra várias instituições do país, entre militares, polícias e juízes.
  • Aguardada confirmação do veredito da pena de morte de Morsi

    Mundo

    Um Tribunal do Cairo deve anunciar hoje o veredito do julgamento sobre a pena de morte do ex-Presidente egípcio. Mohamed Morsi é acusado por ter planeado a fuga de uma prisão nos arredores do Cairo, na companhia de mais de uma centena de militantes da Irmandade Muçulmana, durante a revolta de 2011. Derrubado pelos militares em 2013, Morsi tinha sido já condenado em abril a uma primeira pena de 20 anos de prisão. A sentença poderá ainda ser contestada nos próximos 60 dias.

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01