sicnot

Perfil

Mundo

Tribunal adia decisão sobre pena de morte de Morsi

O tribunal egípcio adiou a decisão, agendada para hoje, de condenar à morte o ex-presidente Mohamed Morsi.

© Amr Dalsh / Reuters

A justiça egípcia tinha agendada para hoje, terça-feira, a decisão de condenar, ou não, à morte o ex-presidente Mohamed Morsi.

Desconhecem-se ainda as razões do adiamento. Sabe-se, para já, que a sentença foi agora agendada para o dia 16 de junho.

Qualquer que seja a decisão, Mohamed Morsi poderá contestá-la nos 60 dias seguintes.

O antigo chefe de Estado foi condenado à morte, por ter planeado a fuga de uma cadeia nos arredores do Cairo, na companhia de mais de uma centena de militantes da Irmandade Muçulmana, durante a revolta de 2011.

Derrubado pelos militares em 2013, Morsi tinha sido já condenado em abril a uma primeira pena de 20 anos de prisão pela repressão dos protestos no Cairo em dezembro de 2012.

As autoridades militares, egípcias acusadas da morte de mais de um milhar de apoiantes de Morsi e militantes da Irmandade Muçulmana anunciaram na segunda-feira ter neutralizado uma alegada conspiração terrorista da organização islamita contra várias instituições do país, entre militares, polícias e juízes.
  • Aguardada confirmação do veredito da pena de morte de Morsi

    Mundo

    Um Tribunal do Cairo deve anunciar hoje o veredito do julgamento sobre a pena de morte do ex-Presidente egípcio. Mohamed Morsi é acusado por ter planeado a fuga de uma prisão nos arredores do Cairo, na companhia de mais de uma centena de militantes da Irmandade Muçulmana, durante a revolta de 2011. Derrubado pelos militares em 2013, Morsi tinha sido já condenado em abril a uma primeira pena de 20 anos de prisão. A sentença poderá ainda ser contestada nos próximos 60 dias.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18