sicnot

Perfil

Mundo

Cerca de 430 pessoas continuam desaparecidas após naufrágio no Yangtze

Cerca de 430 pessoas continuam desaparecidas após naufrágio no Yangtze

Cerca de 430 pessoas que viajavam a bordo do navio naufragado na segunda-feira à noite no rio Yangtze continuavam desaparecidas. Continuam as operações de busca e resgate dos passageiros. Os media locais confirmam que as autoridades recuperaram 18 corpos e que 14 pessoas foram resgatas com vida.

  • Centenas de desaparecidos em naufrágio na China
    0:45

    Mundo

    Um barco com 458 passageiros naufragou ontem na zona sul do rio Yangzte, na província de Hubei, na China. Pelo menos 13 pessoas foram resgatadas numa operação de salvamento dificultada por ventos e chuvas fortes. De acordo com a cadeia britânica BBC, cinco pessoas morreram e centenas continuam desaparecidas. Cerca de 30 navios estão no local. O primeiro-ministro chinês também se deslocou à zona do naufrágio. O capitão do navio foi uma das pessoas resgatadas. Contou que o acidente terá ocorrido quando o barco foi atingido por ventos de 130 quilómetros por hora e que se afundou no espaço de um ou dois minutos.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.