sicnot

Perfil

Mundo

ONU admite inquérito independente à violação de crianças por militares

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) admitiu realizar um inquérito externo independente às alegadas agressões sexuais sobre crianças feitas por soldados franceses e africanos na República Centro-Africana, disse esta quarta-feira um seu porta-voz.

A ONU tem sido vivamente criticada pela sua lentidão em responder às alegações de abusos sexuais muito graves sobre crianças, que também já motivou um inquérito das autoridades francesas, que está em curso.

A ONU tem sido vivamente criticada pela sua lentidão em responder às alegações de abusos sexuais muito graves sobre crianças, que também já motivou um inquérito das autoridades francesas, que está em curso.

© Reuters Photographer / Reuters

"A intenção de Ban Ki-moon, com a promoção deste inquérito, é garantir que a ONU não abandona as vítimas de abusos sexuais, em particular quando são feitos por aqueles que deveriam proteger" as populações, adiantou o porta-voz, Stéphane Dujarric.

A ONU tem sido vivamente criticada pela sua lentidão em responder às alegações de abusos sexuais muito graves sobre crianças, que também já motivou um inquérito das autoridades francesas, que está em curso.  

Mais grave, porém, foi a acusação à ONU de ter castigado o funcionário que, por livre iniciativa, transmitiu um relatório às autoridades francesas para as alertar. 

O assunto foi revelado em abril pelo diário britânico The Guardian, que mencionou um relatório da ONU com testemunhos de crianças que afirmaram ter sido violadas por militares franceses, no início da intervenção militar da França na República Centro-Africana, que durou de dezembro de 2013 a junho de 2014, em troca de alimentação. 

A França anunciou em maio que 14 soldados franceses estão acusados neste caso, potencialmente desastroso para a imagem da França e dos seus militares em África. 

As crianças, com idades entre os oito e os 13 anos, também teriam sido violadas por soldados do Chade e da Guiné Equatorial. 

A organização Aids Free World (Um Mundo sem Sida), que divulgou um relatório interno da ONU, denunciou que dirigentes da ONU estavam ao corrente das alegações de violação, mas não fizeram nada.

"Houve procedimentos que falharam aqui", reconheceu Dujarric, perante os jornalistas. "Este caso não foi gerido como o secretário-geral pretendia", acrescentou. 
Lusa
  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado emitido hoje, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28