sicnot

Perfil

Mundo

Vigília em Hong Kong assinalou 26.º aniversário da repressão na praça Tiananmen

Milhares de pessoas concentraram-se hoje em vigília no Parque Vitória, em Hong Kong, para assinalar o 26.º aniversário da repressão militar na praça de Tiananmen, em Pequim.

EPA

Segundo a organização, cerca de 135.000 corresponderam ao apelo da Aliança de Hong Kong de Apoio aos Movimentos Patrióticos na China, mas a polícia chinesa calcula que apenas 46.000 participaram na vigília, que decorreu sem incidentes.

 Líderes estudantis aproveitaram a ocasião para exigir uma emenda à Lei Fundamental de Hong Kong, para poder instaurar um sistema democrático sem restrições nesta ex-colónia britânica.

O Conselho Legislativo (LegCo) de Hong Kong tem agendado votar, no próximo dia 17, a polémica reforma eleitoral que esteve na origem da chamada "revolução dos guarda-chuvas", que, entre setembro e dezembro de 2014, marcou a vida social e política da agora região Administrativa Especial chinesa de Hong Kong.

A 04 de junho de 1989, o exército chinês interveio contra manifestantes pró-democracia que ocupavam a praça de Tiananmen (cujo nome em chinês significa 'Paz Celestial').

Além de Hong Kong, a Região Administrativa Especial de Macau também assinalou hoje a efeméride, com 500 pessoas concentradas no Largo do Senado.









Lusa
  • Presidente da IPSS "O Sonho" garante que vai demitir-se
    0:57

    País

    A PJ de Setúbal fez esta sexta-feira buscas em três instituições de solidariedade social e em casas particulares ligadas à IPSS "O Sonho", por suspeitas de peculato de uso, fraude na obtenção de subsídios e falsificação de documentos. O presidente da associação nega as suspeitas e diz que está de "consciência tranquila". Florival Cardoso, que é o principal visado na investigação, fala sobre uma "caça às bruxas" e garante que vai demitir-se, porque considera que está a ser cometida uma "enorme injustiça".

  • "Situação humanitária dos civis em Ghouta é aterradora"
    0:49

    Mundo

    O enviado especial da ONU para a Síria lançou esta sexta-feira um novo apelo a um cessar-fogo. O responsável está particularmente preocupado com a situação da população civil e diz que é preciso evitar que se repita em Ghouta o que se passou em Alepo.

  • Instantes de uma noite de futebol europeu
    0:41
  • Não dá mais, Brasil!
    18:00