sicnot

Perfil

Mundo

Hezbollah ameaça "deslocar milhões de israelitas" em caso de ataque ao Líbano

O líder do poderoso movimento xiita libanês Hezbollah, Hassan Nasrallah, assegurou esta sexta-feira que, no caso de um ataque israelita ao Líbano, a resposta provocaria "milhões de deslocados" em Israel.

"Se [os israelitas] ameaçarem deslocar 1,5 milhões de libaneses, então a resistência islâmica no Líbano [o Hezbollah] ameaça também deslocar milhões de israelitas", disse o chefe da formação xiita numa declaração pela televisão. (Arquivo)

"Se [os israelitas] ameaçarem deslocar 1,5 milhões de libaneses, então a resistência islâmica no Líbano [o Hezbollah] ameaça também deslocar milhões de israelitas", disse o chefe da formação xiita numa declaração pela televisão. (Arquivo)

© Mohamed Azakir / Reuters

"Se [os israelitas] ameaçarem deslocar 1,5 milhões de libaneses, então a resistência islâmica no Líbano [o Hezbollah] ameaça também deslocar milhões de israelitas", disse o chefe da formação xiita numa declaração pela televisão. 

"Não receamos a vossa guerra nem as vossas ameaças", disse Hassan Narsallah, cuja formação combate na vizinha Síria ao lado do exército do regime de Bashar al-Assad. 

"Se pensam que estamos ocupados pelo conflito na Síria enganam-se, porque isso nada altera na equação com o inimigo", acrescentou.   

O líder do movimento armado xiita libanês respondia assim a um alto responsável dos serviços de informações militares israelitas que em maio alertou para a crescente ameaça, entre dois a três anos, de conflitos nas fronteiras de Israel. 

Segundo este responsável, que se exprimia durante um encontro com jornalistas estrangeiros, Israel "terá de atingir" zonas civis no Líbano em caso de conflito com o Hezbollah devido à dispersão dos locais onde a organização concentra o seu armamento.  

"Qualquer povoação libanesa é um bastião militar. Na próxima vez que nos envolvermos numa guerra com o Hezbollah, teremos de atacar cada um desses alvos e esperamos que a população civil não se encontre nesses locais", disse. 

Segundo o responsável israelita, o Hezbollah, que manteve uma guerra com Israel em 2006, possui mais de 100 mil 'rockets' escondidos em zonas civis e que podem atingir o norte do Estado judaico, e ainda "centenas" de outros 'rockets' com capacidade para atingir todo o território israelita.
Lusa
  • Síria acusa Israel de lançar dois ataques aéreos na periferia de Damasco e junto ao aeroporto
    0:34

    Mundo

    A Síria acusa Israel de lançar pelo menos dois bombardeamentos aéreos na periferia de capital Damasco. A notícia foi avançada pela televisão síria e está a ser confirmada pelo exército. Israel limita-se a dizer que não comenta relatórios estrangeiros. Foi divulgado este vídeo, alegadamente dos jatos israelitas a sobrevoarem a periferia da capital Síria.O observatório sírios para os direitos humanos confirma 10 explosões na zona do aeroporto de Damasco.. e na autoestrada que liga a Síria ao Líbano. Desde o início da guerra civil na Síria em 2011 Israel levou a cabo vários bombardeamentos aéreos, sobretudo por causa da ligação com o grupo libanês Hezbollah.

  • Curiosidades sobre o Mundial da Rússia
    3:08
  • Inocência e talento marcaram o 9.º dia de Mundial
    0:56
  • Ronaldo no País dos Sovietes: Algumas curiosidades
    1:54
  • O choro intenso de Neymar explicado pelo próprio
    0:51
  • A queda aparatosa do selecionador do Brasil
    0:05
  • Dia de limpezas em Chaves após violenta tempestade
    2:44
  • Athanasia, uma mulher sem medo das alturas
    0:35

    Mundo

    É grega, chama-se Athanasia Athineau, tem 29 anos e pertence à unidade de forças especiais da Grécia. O salto que podemos ver é de 10 mil pés, mas Athanasia faz também saltos de 30 mil. Neste caso, caíu a uma velocidade de 250 quilómetros por hora antes de abrir o pára-quedas.

  • Talheres de Hitler vendidos por 14 mil euros

    Mundo

    Um conjunto de duas facas, três colheres e três garfos de prata, que pertencia a Adolf Hitler, foi vendido em Dorset, Inglaterra, pelo valor de 12.500 libras (aproximadamente 14.200 euros). O serviço de talheres foi criado no âmbito das celebrações do 50.º aniversário do ditador nazi.

    SIC