sicnot

Perfil

Mundo

Papa elogia progressos vividos na Bósnia nos últimos anos

O Papa Francisco elogiou hoje, em Sarajevo, "os progressos" vividos na Bósnia-Herzegovina nos últimos anos, mas defendeu que o diálogo para a paz deve ser sólido e irreversível.

© Dado Ruvic / Reuters

"Tenho o prazer de ver os progressos realizados, que devemos agradecer ao senhor e a tantas pessoas de boa vontade. No entanto, é importante não se contentar com o que já foi alcançado, mas procurar adotar novas medidas para fortalecer a confiança e criar oportunidades para que aumente a compreensão e o respeito mútuo", disse o papa.

Francisco fez estas reflexões durante o seu discurso durante a cerimónia de boas-vindas no palácio Presidencial, na capital da Bósnia-Herzegovina.

O papa apelou ainda à comunidade internacional e, "em particular à União Europeia", que contribua para que "o processo de paz começado seja cada vez mais sólido e irreversível".

"Mesmo as feridas mais profundas podem ser curadas através de um processo que purifique a memória e dê esperança para o futuro", disse, referindo ainda que se deve "colaborar, construir e dialogar, perdoar e crer" para fomentar a convivência pacífica "em vez do grito fanático do ódio".

O papa recordou a visita de João Paulo II em 1997 a Sarajevo, que ainda tentava recuperar-se da guerra (1992-1995), mostrando ainda a sua satisfação por pisar a capital bósnia "como peregrino da paz e do diálogo".

"É para mim um motivo de alegria encontrar-me nesta cidade, que sofreu tanto por causa dos sangrentos conflitos do século passado e voltou a ser um lugar de diálogo e convivência pacífica", sublinhou.

Francisco afirmou que a Bósnia-Herzegovina "tem um significado especial para a Europa e para o mundo inteiro", pois nestes territórios "existem comunidades, que há séculos professam religiões diferentes e pertencem a etnias e culturas distintas, cada uma com as suas características peculiares e orgulhosa das suas tradições específicas".

O papa pediu aos responsáveis políticos do país para protegerem "os direitos fundamentais da pessoa, entre os quais destaca a liberdade religiosa" para assegurar "a efetiva igualdade de cada cidadão diante da lei independentemente da sua origem étnica, religiosa e geográfica".

Só assim, afirmou o papa, "todos e cada um se sentirão plenamente participantes da vida pública e, desfrutando dos mesmos direitos, poderão dar o seu contributo específico ao bem comum".

O atual Presidente da Bósnia-Herzegovina (cargo rotativo), o sérvio Mladen Ivanic, disse confiar que "o tempo da falta de entendimento, da intolerância e divisões ficou para trás", que aprenderam a lição do passado recente e que diante deles está "um novo tempo de entendimento, reconciliação e cooperação".

Ivanic esteve acompanhado pelos outros membros que formam a composição presidencial do país, o muçulmano Bakir Iztbegovic, e o croata Dragan Covic.

"Desejamos edificar a Bósnia-Herzegovina como uma sociedade à medida do homem e de todas as religiões. O cumprimento deste objetivo não é fácil e representa um grande desafio, tanto para os líderes políticos e religiosos como para cada cidadão", afirmou Ivanic.

O Presidente bósnio acrescentou que a "Bósnia-Herzegovina tem sido um símbolo do verdadeiro entendimento das diferenças étnicas e religiosas, mas também das profundas divisões, conflitos e sofrimentos".

Depois da reunião com as autoridades bósnias, o papa dirigiu-se para o estádio olímpico de Sarajevo para rezar uma missa para cerca de 65 mil fiéis.


Lusa

  • Dirigentes do GD Ribeirão acusados de auxílio à emigração ilegal
    1:34

    Desporto

    Oito dirigentes do Grupo Desportivo de Ribeirão, um clube de Vila Nova de Famalicão que fechou as portas em 2015, foram acusados pelo Ministério Público.Em causa, estão suspeitas de auxílio à emigração ilegal ou falsificação de documentos, relacionadas com transferências de jogadores estrangeiros em situação ilegal.

  • Capacetes Brancos agradecem Óscar para filme sobre a guerra na Síria
    1:34

    Óscares 2017

    O Óscar para melhor documentário curto foi atribuído a um filme sobre a guerra na Síria. "The White Helmets" retrata o trabalho dos Capacetes Brancos, uma equipa de voluntários que ajuda no salvamento e resgate de habitantes sírios atingidos pelo conflito no país. O Fundador dos Capacetes Brancos já veio fazer um agradecimento público pela atribuição deste galardão. Raed Saleh diz que é uma motivação para os voluntários que todos os dias arriscam a vida para salvar outras pessoas.

  • O primeiro eclipse solar do ano
    0:57
  • O Nokia 3310 está de volta
    1:16