sicnot

Perfil

Mundo

Avião com asas autorreparáveis disponível entre cinco a dez anos

Um avião com asas autorreparáveis poderá estar disponível entre cinco a dez anos, segundo investigadores da Universidade de Bristol, no Reino Unido, noticia hoje a BBC.  

© Reuters Photographer / Reuter

A equipa de investigação da universidade inspirou-se para este projeto na forma como o corpo humano cicatriza após um corte, estanca o sangue e criando uma crosta.

Para tal, desenvolveram minúsculas microesferas de um "agente de cura" à base de carbono líquido, que são espalhadas na asa do avião por esta. 

Em caso de necessidade, as esferas libertam o líquido que se espalha e solidifica.

A solidificação ocorre devido ao contacto com uma substância catalisadora, presente no material destas asas inovadoras e em que a temperatura constitui um fator adicional. 

"Estamos a falar de pequenas fissuras, e não de rasgos de um metro", disse o professor de Química, Duncan Wass, referindo que as microfissuras podem levar a falhas catastróficas, acrescentando que esta tecnologia poderá ainda ser aplicada a outros produtos feitos com materiais de compósitos de carbono, como quadros de bicicletas e turbinas eólicas.

"Os materiais compósitos são cada vez mais utilizados pelas companhias aéreas modernas, aviões militares e turbinas eólicas, por serem bastante rígidos e fortes, mas muito leves", disse, classificando esta inovação como "perfeita" para a indústria aeroespacial.

O problema coloca-se quando estes equipamentos se danificam, por serem difíceis de proteger e de reparar, disse.

"A nossa tecnologia permitirá ainda estender o calendário de manutenção ou talvez até usar menos material sem comprometer a segurança (...) As asas curadas" dos aviões tornar-se-iam tão resistentes como as originais, frisou o investigador, que está a trabalhar com engenheiros aeroespaciais neste projeto.

Duncan Wass explicou ainda que ao longo dos testes os materiais foram literalmente danificados para permitir que se autorregenerassem, para serem novamente quebrados, tendo sido possível obter, nalguns casos, a total recuperação dos materiais testados.

Lusa
  • Negócios do fogo
    22:00

    Reportagem Especial

    Todos os anos, o Estado gasta centenas de milhões de euros para financiar os meios de combate aos incêndios. A reportagem especial da SIC denuncia falta de rigor e clareza em muitos dos negócios.

  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.