sicnot

Perfil

Mundo

G7 defende "diminuição importante" de emissões de gases com efeito de estufa

Os países do G7 defendem uma "diminuição importante" das emissões mundiais de gases com efeito de estufa e uma descarbonização da economia durante este século, segundo o comunicado final de uma cimeira na Baviera (sul da Alemanha).

© POOL New / Reuters

Pronunciaram-se assim a favor de um objetivo mundial de redução das emissões de 40% a 70% até 2050 em relação a 2010, "no quadro de uma resposta mundial" e comprometeram-se a fazer a sua parte para "alcançar a longo termo uma economia mundial parca em carbono".

O presidente francês, François Hollande, congratulou-se com os "compromissos ambiciosos e realistas", que, segundo a chanceler alemã, Angela Merkel, são "o resultado de negociações difíceis".

Os países europeus do G7 (Alemanha, França, Itália e Reino Unido) estavam de acordo com o estabelecimento de um objetivo ambicioso para enviar um sinal à conferência de Paris, em dezembro, na qual a comunidade internacional deve estabelecer um roteiro para limitar o aquecimento global a dois graus em relação à era pré-industrial. O Japão e o Canadá, cuja matriz energética depende muito do carvão, estavam mais reticentes.

No final, os progressos realizados em Elmau permitem esperar "um acordo sólido" em Paris no final do ano, congratulou-se o presidente norte-americano, Barack Obama, que lembrou a necessidade de agir rapidamente e com determinação para limitar a subida do termómetro mundial a dois graus.

As primeiras reações das organizações não-governamentais foram positivas, com a Greenpeace a considerar que Elmau tinha "mantido as suas promessas".

O grupo dos sete países mais industrializados representa cerca de 10 por cento da população mundial e um quarto das emissões globais. 

Na cimeira do G7 não participaram a China, o maior poluidor mundial, nem outras grandes economias emergentes como a Índia, a Rússia e o Brasil.








Lusa
  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.