sicnot

Perfil

Mundo

Grupo de Bilderberg reúne-se entre quinta e domingo na Áustria

O grupo Bilderberg de personalidades políticas, do patronato e da ciência vai realizar o seu encontro anual, à porta fechada, entre quinta-feira e domingo, numa aldeia austríaca, anunciaram hoje os organizadores.  

Foi em português e com o poema “Recomeça”, de Miguel Torga, que Durão Barroso se despediu dos correspondentes em Bruxelas, numa última conferência de imprensa como presidente da Comissão Europeia. Barroso não quis dar respostas concretas mas também não fechou a porta a um cargo nas Nações Unidas ou a um regresso à vida política em Portugal.

Foi em português e com o poema “Recomeça”, de Miguel Torga, que Durão Barroso se despediu dos correspondentes em Bruxelas, numa última conferência de imprensa como presidente da Comissão Europeia. Barroso não quis dar respostas concretas mas também não fechou a porta a um cargo nas Nações Unidas ou a um regresso à vida política em Portugal.

© Francois Lenoir / Reuters

O encontro deste ano fica marcado pela ausência de Francisco Pedro Balsemão, que pertencia ao comité de diretores do clube. Durão Barroso é o sucessor.

O grupo, cujo objetivo declarado é a "promoção do diálogo entre a Europa e a América do Norte", confirmou a presença de 140 participantes de 22 países na 63.ª conferência, que vai decorrer em Telfs-Buchen, perto de Innsbruck (oeste). 

Entre os convidados políticos contam-se, entre outros, o primeiro-ministro belga, Charles Michel, o ministro das Finanças holandês e presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, o presidente austríaco, Heinz Fischer, e o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg. 

Vão estar também presentes a conselheira económica do presidente francês François Hollande, Laurence Boone, o presidente da Michelin Jean-Dominique Sénard, o presidente da câmara de Bordéus (sudoeste) e futuro candidato às primárias da direita Alain Juppé, ou o professor universitário especialista do mundo árabe Gilles Kepel. 

A presidência do grupo Bilderberg é ocupada pelo patrão da seguradora Axa, o francês Henri de Castries. 

O grupo nasceu em 1954 no hotel Bilderberg, na Holanda. A sua existência suscita várias teorias da conspiração, durante muito tempo alimentadas pela ausência total de comunicação sobre as reuniões. 

Estas decorrem sem ordem do dia e sem qualquer declaração pública. 

Outros críticos acusam o grupo de defender uma globalização ultraliberal. 

Para o encontro deste ano, a segurança, as tecnologias de informação e os grandes dossiers geopolíticos da atualidade deverão dominar os debates. 


Com Lusa
  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.