sicnot

Perfil

Mundo

Freiras resgatadas após três dias presas num elevador em Roma

Duas freiras foram resgatadas na segunda-feira de um elevador em Roma após terem ficado presas durante três dias sem comida nem água, noticia hoje a BBC.

© Stefano Rellandini / Reuters

As religiosas, uma com 69 anos, da Nova Zelândia, e outra de 58, da Irlanda, ficaram presas na sexta-feira no elevador do convento Marista, em Roma, devido a uma falha de energia.  

Os gritos de socorro das mulheres não foram ouvidos porque durante o fim de semana não se encontrava ninguém no edifício, refere a imprensa italiana. 

Foram detetadas na segunda-feira de manhã depois de o empregado de limpezas ter chamado a polícia porque a ninguém lhe abria a porta após ter tocado a campainha, o que achou estranho. 

"Sim, estamos aqui, no elevador", responderam as mulheres quando a polícia, após entrar no convento, perguntou se estava alguém, relata o jornal italiano Il Messaggero.

"Nós rezámos imenso enquanto estavamos presas", acrescentaram as religiosas, que foram transportadas para um hospital nas imediaçõe,s onde receberam tratamento para a desidratação.

O convento de freiras Marista recebe em Roma todos os religiosos em missão pelo mundo. 


Lusa

  • Vitória de Guimarães na Áustria em busca do apuramento na Liga Europa
    1:47
  • Árbitros recuam e vão apitar jogos do próximo fim de semana

    Desporto

    Os árbitros recuaram esta quarta-feira na intenção de não comparecer nos jogos do próximo fim de semana. Depois de na terça-feira a maioria dos juízes terem apresentado um pedido de dispensa dos jogos da 12.ª jornada do campeonato, esta quarta-feira adiaram a decisão após uma reunião com o Conselho de Arbitragem.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • Jorge Jesus e Ana Malhoa contra o consumo de sal
    1:21
  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.