sicnot

Perfil

Mundo

Quinze mortos em ataque do Boko Haram a aldeia do nordeste da Nigéria

Quinze pessoas morreram hoje num ataque do grupo islâmico Boko Haram a uma aldeia remota do nordeste da Nigéria, onde muitas casas ficaram reduzidas a cinzas, declararam hoje vários habitantes à agência de notícias francesa AFP. 

© Akintunde Akinleye / Reuters

"Contámos até agora 15 mortos e um ferido", indicou um habitante, Bukar Zira, que fugiu da aldeia de Huyum, situada no estado de Borno.

O ataque ocorreu na segunda-feira pelas 14:00 locais (e de Lisboa) em Huyum, situado na região de Askira-Ubact, que já foi, recentemente, várias vezes alvo do grupo islâmico que jurou lealdade a outro grupo extremista, o Estado Islâmico, que controla uma parcela considerável dos territórios da Síria e do Iraque.

"Toda a aldeia foi incendiada por homens armados do Boko Haram. Perdemos cerca de 500 casas", relatou Zira, que se refugiou no estado vizinho de Adamawa, enquanto os extremistas entravam na aldeia.

Segundo o aldeão, os rebeldes cercaram a aldeia e abriram fogo, depois despejaram gasolina sobre as casas, maioritariamente feitas de tijolos de terra seca, com telhados de palha, e em seguida incendiaram-nas.

Os habitantes da aldeia "fugiram para diferentes zonas de Borno e Adamawa", acrescentou.

Outro aldeão, Peter Malgwui, disse que o Boko Haram já efetuou diversos ataques a aldeias vizinhas nas últimas semanas, pilhando as casas e roubando alimentos.

"Eles incendiaram totalmente a aldeia [de Huyum]. Nenhuma casa foi poupada", sublinhou.

Este ataque é o 12.º perpetrado pelo Boko Haram desde que o novo Presidente nigeriano, Muhammadu Buhari, tomou posse, a 29 de maio último.

No total, 109 pessoas foram mortas desde então, segundo um balanço feito pela AFP.

Buhari definiu como prioridade a luta contra o Boko Haram, cuja insurreição e respetiva repressão fizeram mais de 15.000 mortos desde 2009.

A partir de fevereiro, uma ofensiva regional permitiu infligir aos rebeldes graves danos, mas eles continuam a cometer ataques e atentados suicidas.

Um terceiro habitante da aldeia de Huyum, Ishaya Ayuba, indicou que os atacantes ali "estiveram até às quatro da manhã" e só depois se retiraram.

"Havia soldados estacionados a cerca de 20 quilómetros dali, mas não intervieram. Nós perdemos tudo", observou.






Lusa
  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.