sicnot

Perfil

Mundo

Estudo revela que há chimpanzés que consomem álcool de forma voluntária

Um estudo hoje revelado no Reino Unido adianta pela primeira vez que os chimpanzés que vivem em liberdade na África ocidental consomem álcool de forma voluntária, algo somente atribuível aos humanos até ver.

Alik Keplicz

A investigação, publicada na revista "Royal Society", confirma trabalhos anteriores que indicam que os símios africanos e os seres humanos compartilham uma mutação genética que lhes permite metabolizar o álcool de forma efetiva.

Um grupo de chimpanzés em Bossou, na Guiné, tem consumido álcool há algum tempo e de forma recorrente, confirmou a equipa de especialistas liderada pelo japonês Tetsuro Matsuzawa, da Universidade de Quioto.

Entre 1995 e 2012 os especialistas seguiram o grupo de chimpanzés e comprovaram que estes ingerem grandes quantidades de etanol, também chamado álcool etílico, com uma graduação alcoólica até 3,8%.

Kimberly Hockings, da Universidade de Oxford, e coautora do estudo, indica que alguns dos animais beberam até 85 mililitros de álcool e mostraram depois "claros sinais" de embriaguez, nomeadamente sonolência.

Lusa
  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.