sicnot

Perfil

Mundo

Manuela Carmena tomou posse como presidente da autarquia de Madrid

Manuela Carmena, uma juíza reformada  de 71 anos, foi proclamada hoje presidente da autarquia de Madrid, por maioria absoluta, ao contar com o apoio da sua plataforma partidária, Ahora (Agora) Madrid e dos socialistas. 

© Juan Medina / Reuters

No total, a nova autarca, candidata do movimento Podemos, conseguiu 29 votos de um total de 57 dos membros que formam o governo municipal e derrotou o domínio do Partido Popular (PP) na capital espanhola desde há 24 anos.

Manuela Carmena tomou posse como nova responsável por Madrid pelas 11:30 locais (10:30 de Lisboa).

A candidata del PP, Esperanza Aguirre, somou os apoios dos socialistas ao seu próprio movimento, após as eleições do passado dia 24.

Os votos foram introduzidos numa urna e lidos em voz alta, com o anúncio da vitória de Manuela Carmena a ser recebido, nomeadamente pelos líderes do Podemos Pablo Iglesias, Íñigo Errejón e Juan Carlos Monedero, com aplausos e os gritos "Sim, pode-se".

Manuela Carmena já tinha dito que um dos seus primeiros passos vai ser o de procurar impedir que as pessoas caiam na situação de sem abrigo, através da prevenção dos despejos ou, se isto não for possível, da disponibilização de alojamento alternativo.  

Também prometeu atacar a corrupção, desenvolver o transporte público, aumentar subsídios para as famílias pobres e cortar o salário de presidente da Câmara em mais de metade do valor atual e passá-lo para 45 mil euros. 

Logo a seguir à eleição, Carmena escreveu na rede social Twitter: "já está. Muito obrigada. Agora somos todos e todas autarcas".

O Ahora Madrid, nascido do movimento de protesto designado 'Indignados', que apareceu durante a crise económica em Espanha, ficou em segundo lugar nas eleições autárquicas de 24 de maio, seguido pelos socialistas. 

Carmena, que na sua juventude se opôs ao regime de Francisco Franco, era desconhecida na capital de Espanha antes de fazer campanha com base na promessa de fazer da luta contra a desigualdade económica uma prioridade. 

A sua plataforma Ahora Madrid, uma coligação de partidos de esquerda que foi apoiada pelo partido antiausteridade Podemos, que abalou a polícia espanhola, obteve 31,8% dos votos, o que lhe deu 20 lugares na autarquia. 

Ficou assim a apenas um lugar do Partido Popular, que candidatou a antiga ministra Esperanza Aguirre.

O novo partido, de centro-direita, Ciudadanos (Cidadãos) conseguiu sete lugares, que foram insuficientes para manter os populares no poder local, uma vez que os socialistas têm nove eleitos. 


Lusa
  • Primeiro-ministro hoje na cidade da Praia 

    País

    O primeiro-ministro, António Costa, está hoje em Cabo Verde para a a IV cimeira bilateral entre Portugal e aquele país africano, aproveitando a passagem pela cidade da Praia para inaugurar a escola portuguesa.

  • Deputados britânicos debatem hoje petição que desvaloriza visita de Donald Trump

    Mundo

    Os deputados britânicos debatem hoje uma petição que reclama que a futura visita de Estado do Presidente norte-americano, Donald Trump, seja reduzida a uma visita oficial, enquanto dezenas de milhares de pessoas se manifestam sobre o mesmo assunto. Dezenas de milhares de pessoas são esperadas hoje nas ruas de várias cidades do Reino Unido, em protestos organizados para coincidir com a discussão no parlamento (na Câmara dos Comuns) de uma petição 'online' que já tem quase dois milhões de subscritores.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Matteo Renzi demite-se da liderança do Partido Democrático

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro italiano Matteo Renzi demitiu-se hoje da liderança do Partido Democrata (PD), uma decisão que faz parte de uma estratégia para retomar o controlo da formação de centro-esquerda, onde uma minoria mais à esquerda ameaça cindir-se.