sicnot

Perfil

Mundo

Evereste deslocou-se 40 centímetros em dez anos

O Evereste, o monte mais alto do mundo com 8.848 metros, deslocou-se 40 centímetros para nordeste nos últimos dez anos e aumentou a altura em três centímetros, afirmam cientistas chineses citados hoje pela agência oficial chinesa Xinhua.  

© Navesh Chitrakar / Reuters

A montanha, que chineses e tibetanos denominam Qomolangma, moveu-se à velocidade de quatro centímetros por ano, e cresceu 0,3 centímetros a cada doze meses entre 2005 e 2015, segundo a Administração Nacional de Cartografia e Informação Geológica da China, que há 10 anos iniciou o registo destas variações.

O terramoto do passado dia 25 de abril no Nepal representou para o Evereste uma mudança de três centímetros na direção contrária, sudoeste, enquanto a altura não apresentou alterações.

O Evereste, situado entre a China e o Nepal, encontra-se na zona de fricção das placas tectónicas chinesa e indiana, pelo que os movimentos da crosta são frequentes e que explica os fortes sismos registados na zona, bem como este movimento do Evereste e de outros picos da cordilheira dos Himalaias.   

As alterações geográficas produzidas por estas fricções têm grande influência no clima, no meio ambiente e na ecologia das regiões do leste e do sudeste asiático, acrescentaram os especialistas chineses.    

  







Lusa
  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.