sicnot

Perfil

Mundo

Evereste deslocou-se 40 centímetros em dez anos

O Evereste, o monte mais alto do mundo com 8.848 metros, deslocou-se 40 centímetros para nordeste nos últimos dez anos e aumentou a altura em três centímetros, afirmam cientistas chineses citados hoje pela agência oficial chinesa Xinhua.  

© Navesh Chitrakar / Reuters

A montanha, que chineses e tibetanos denominam Qomolangma, moveu-se à velocidade de quatro centímetros por ano, e cresceu 0,3 centímetros a cada doze meses entre 2005 e 2015, segundo a Administração Nacional de Cartografia e Informação Geológica da China, que há 10 anos iniciou o registo destas variações.

O terramoto do passado dia 25 de abril no Nepal representou para o Evereste uma mudança de três centímetros na direção contrária, sudoeste, enquanto a altura não apresentou alterações.

O Evereste, situado entre a China e o Nepal, encontra-se na zona de fricção das placas tectónicas chinesa e indiana, pelo que os movimentos da crosta são frequentes e que explica os fortes sismos registados na zona, bem como este movimento do Evereste e de outros picos da cordilheira dos Himalaias.   

As alterações geográficas produzidas por estas fricções têm grande influência no clima, no meio ambiente e na ecologia das regiões do leste e do sudeste asiático, acrescentaram os especialistas chineses.    

  







Lusa
  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.