sicnot

Perfil

Mundo

Honda regista nova morte devido a explosão de airbag

A japonesa Honda deu conta de uma nova morte de um passageiro devido à explosão de um airbag, elevando o total de fatalidades para sete, o que obrigou à chamada às oficinas de milhões de veículos. 

© Parth Sanyal / Reuters

O fabricante automóvel confirmou hoje que uma mulher morreu em Louisiana, Estados Unidos, em abril, depois de o mecanismo do seu Honda Civic, de 2005, rebentar, projetando fragmentos metálicos na sua direção.

A confirmação surgiu depois de a unidade da Honda nos Estados Unidos ter informado a Administração Nacional de Segurança e Tráfego nas Autoestradas da morte da mulher, na sexta-feira.

A notícia vem agravar a crise do fabricante dos airbags, a empresa Takata, que no mês passado levou a que 34 milhões de veículos fossem chamados às oficinas.

A Honda, que esta semana vai nomear um novo presidente, é a marca mais afetada por esta retirada dos veículos, que também atingiu a Toyota, Ford, General Motors, Nissan, e BMW.


Lusa

  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.