sicnot

Perfil

Mundo

Japão inventa equipamento para detetar doenças através da respiração

Uma empresa de Tóquio desenvolveu um protótipo de uma máquina para detetar doenças através da respiração, um dispositivo que pode permitir, no futuro, a realização de diagnósticos de forma mais rápida e simples.

reuters

O protótipo, concebido pela empresa Nihon Dempa Kogyo em colaboração com a Universidade de Kitakyushu, já conseguiu identificar com êxito a cirrose hepática, ao detetar amoníaco na respiração das pessoas que sofriam dessa doença, segundo o jornal Nikkei.

O sistema recorre a "oscilares do quartzo", cujos elétrodos são revestidos de membranas especiais.

Ao serem expostos aos gases presentes na respiração de uma pessoa e, mais tarde, a uma amostra de ar, os osciladores reagem, mostrando se uma determinada substância está presente ou não no hálito do indivíduo.

Segundo a empresa, a vantagem deste sistema de cristais de quartzo é que, ao contrário de outros métodos baseados em semicondutores ou sistemas microeletromecânicos que detetam gases a partir do odor, a sua sensibilidade é muito maior.

O objetivo é conseguir desenvolver o equipamento de modo a que o paciente possa soprar quase diretamente sobre os osciladores, o que permitiria um diagnóstico praticamente instantâneo, indica a empresa, salientando também os baixos custos de produção do equipamento.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.