sicnot

Perfil

Mundo

Jihadista Mokhtar Belmokhtar morto em bombardeamento na Líbia

O combatente islâmico argelino Mokhtar Belmokhtar terá sido morto num bombardeamento na Líbia por forças norte-americanas, segundo responsáveis líbios. Era acusado de liderar o ataque ao gasoduto de Amenas de há dois anos, no qual 800 pessoas foram feitas reféns e 40 morreram.

Arquivo reuters

Mokhtar Belmokhtar terá sido morto na cidade de Ajdabiya, no leste da Líbia, de acordo com um comunicado do Governo daquele país. Segundo os Estados Unidos, o jihadista foi, de facto, detectado e a operação "teve êxito", mas os detalhes do bombardeamento ainda estão a ser analisados.

Belmokhtar era procurado há já bastante tempo pelos Estados Unidos, que lançaram um programa de "recompensas  para a justiça", a quem encontrasse responsáveis da Al-Qaeda do Magrebe Islâmico (AQMI). 

Existente desde 1984, este programa consiste na oferta de dinheiro a  todo o informador que permita a detenção ou eliminação de indivíduos que  ameacem os interesses dos EUA.  

Para quem encontrasse Belmokhtar, um dissidente da AQMI que criou o seu próprio grupo  no final de 2012, estavam reservados cinco milhões de dólares (3,8 milhões  de euros). 

Nascido na Argélia, ganhou notoriedade no ataque ao gasoduto de Amenas de há dois anos, no qual 800 pessoas foram feitas reféns e 40 morreram.


  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.

  • Dirigente derrotado da Gâmbia concorda em ceder poder

    Mundo

    O ex-presidente e candidato derrotado das eleições na Gâmbia, Yahya Jammeh, concordou em ceder o poder ao novo Presidente do país, empossado na quinta-feira, indicou esta sexta-feira um responsável governamental senegalês.