sicnot

Perfil

Mundo

Três guardas mortos na Tunísia em ataque de militantes islâmicos

Três guardas da polícia nacional da Tunísia foram mortos esta segunda-feira, num posto de controlo no centro de país, na sequência de um ataque de militantes islâmicos.

O Ministério do Interior adiantou que dois dos seguranças morreram num ataque ao amanhecer e um terceiro na sequência de confrontos que se geraram com militantes islâmicos, numa passagem de Sidi Bouzid.

O Ministério do Interior adiantou que dois dos seguranças morreram num ataque ao amanhecer e um terceiro na sequência de confrontos que se geraram com militantes islâmicos, numa passagem de Sidi Bouzid.

© Stringer Shanghai / Reuters

O Ministério do Interior adiantou que dois dos seguranças morreram num ataque ao amanhecer e um terceiro na sequência de confrontos que se geraram com militantes islâmicos, numa passagem de Sidi Bouzid.
 
Um dos dois homens armados foi abatido, tendo o outro ficado ferido.

A autoria do ato terrorista não foi, até ao momento, reivindicada por nenhum grupo em concreto, mas as autoridades apontam o dedo a jihadistas do género dos que em março atacaram o museu nacional do Bardo, na capital, Tunes.

Desde então, as forças de segurança lançaram uma campanha contra as brigadas radicais com influência no país, em particular junto à fronteira com a Argélia.
  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.