sicnot

Perfil

Mundo

250 mil crianças em risco de morrer de fome no Sudão do Sul, alerta ONU

Cerca de 250 mil crianças estão em risco de morrer de fome no Sudão do Sul, país devastado por uma guerra civil, alertou hoje o coordenador humanitário da ONU naquele país, Toby Lanzer, recentemente expulso pelas autoridades locais. 

Matthew Abbott

"Uma em cada três crianças está gravemente subnutrida e 250 mil crianças estão em risco de morrer de fome", afirmou Toby Lanzer, num relatório hoje divulgado. 

O coordenador humanitário da ONU foi expulso do país no início deste mês por ter, segundo as autoridades locais, prognosticado o "colapso" do Sudão do Sul, o país mais novo do mundo, que declarou independência a 09 de julho de 2011, na sequência de um acordo de paz assinado em 2005. 

No relatório, o Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários (OCHA, na sigla em inglês) das Nações Unidas lançou um apelo aos doadores, afirmando que são necessários cerca de 1,63 mil milhões de dólares (1,44 mil milhões de euros) para terminar o ano corrente. 

O documento também recordou que dois terços dos 12 milhões de habitantes do país precisam de ajuda e que 4,6 milhões estão em risco de perder as fontes de alimentação.

O atual conflito no Sudão do Sul eclodiu em dezembro de 2013, com combates no seio do exército sul-sudanês, fraturado pela rivalidade política e étnica entre o Presidente Salva Kiir e o antigo vice-presidente Riek Machar. 

Diversas milícias tribais uniram forças às duas fações e os combates têm sido acompanhados por massacres étnicos e abusos, atos que são atribuídos aos dois lados do conflito civil.

"Há cerca de seis meses, pensámos que a violência e o sofrimento tinham atingido o seu limite e que a paz estaria a chegar. Estávamos errados", lamentou Toby Lanzer. 

"A intransigência política afastou qualquer perspetiva de paz, a guerra continua e vai conduzir ao colapso económico" do país, frisou o coordenador humanitário, salientando que, nos mais recentes combates, as forças em confronto "incendiaram casas, destruíram escolas, hospitais e poços, e roubaram milhares de cabeças de gado".

Infraestruturas e bens que, segundo o documento, são "necessários para a vida das comunidades".

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Reservas de viagens na Páscoa e no verão aumentaram
    1:19

    Economia

    As reservas de viagens no período da Páscoa e do verão aumentaram este ano, tanto para o estrangeiro como para dentro de Portugal. O Algarve, a Madeira e os Açores continuam a ser os destinos de eleição. Os portugueses estão também a marcar férias com mais antecedência, uma das receitas para conseguir melhores preços.

  • Escada rolante inverte sentido e varre dezenas de pessoas
    1:15
  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.