sicnot

Perfil

Mundo

Al-Qaeda no Iémen confirma morte de líder em ataque com drone

A Al-Qaeda no Iémen confirmou a morte do seu líder Nasir al-Wuhayshi, número dois da organização global 'jihadista', durante um ataque norte-americano com um 'drone', através de um vídeo divulgado na Internet.

© Khaled Abdullah Ali Al Mahdi

A Al-Qaeda na Península Arábica disse que escolheu Qassem al-Rimi como novo líder.

Wuhayshi "foi morto num ataque norte-americano com 'drone' que o tinha como alvo, tal como dois outros 'mujahedeen' [combatentes]", que também morreram, indicou o homem que leu o comunicado no vídeo.

A Al-Qaeda na Península Arábica foi responsável por várias conspirações contra os Estados Unidos, incluindo uma tentativa para fazer explodir um avião comercial no dia de Natal de 2009.


  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.