sicnot

Perfil

Mundo

Ataque aéreo da coligação internacional no Iraque mata cinco civis

Um bombardeamento da coligação internacional, liderada pelos EUA, contra posições do grupo radical Estado Islâmico (EI) a sul da cidade de Mossul, causou hoje a morte a cinco civis e ferimentos a vários.

© STRINGER Iraq / Reuters

Um dirigente das milícias xiitas pró governamentais denominadas 'Multidão Popular', Atiya Hazem al Yaburi, afirmou à agência noticiosa Efe que o bombardeamento aéreo foi efetuado sobre a aldeia de Baaya, na zona de Al Sherkat, situada 80 quilómetros a sul de Mossul.

As vítimas estavam num espaço ao ar livre, a assistir a uma projeção das recentes "vitórias do EI" nos seus combates com as forças de segurança iraquianas na zona de Biyi, situada 150 quilómetros a sul de Mossul, cidade que fica no norte do Iraque.

O autoproclamado Estado Islãmico, que proíbe qualquer tipo de atividade cultural, coloca ecrãs de projeção nas zonas que controla, para fazer propaganda das suas ações de guerra, bem como para mostrar execuções e atentados. 

No ataque também perderam a vida pelo menos 15 combatentes do EI. 

Segundo aquela fonte, do ataque resultaram também 35 feridos graves, entre combatentes e civis. 

Al Yaburi disse ainda que há centenas de famílias que não conseguem encontrar um refúgio nas aldeias de Al Sherkat, depois de o EI impedir a sua saída da zona, com recurso a ameaças de morte. 

Esta situação levou-o o acrescentar que as milícias "Multidão Popular" estão a preparar-se para fazer uma grande ofensiva em Al Sherkat contra o EI, depois de o ter expulsado de Biyi.






Lusa
  • Coreia do Norte foi "isolada à força"

    Mundo

    O empresário espanhol León Smit, que organiza visitas à Coreia do Norte, diz que o país foi "isolado à força", sendo "muito difícil" estabelecer relações comerciais com Pyongyang, sob o regime de Kim Jong-un.

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite