sicnot

Perfil

Mundo

Comerciantes luso-descendentes receiam abrir portas devido à insegurança na Venezuela

Habituada a lidar frequentemente com a criminalidade, a comunidade portuguesa radicada em Higuerote, sobretudo os comerciantes, estão cada vez mais preocupados com a insegurança, temendo abrir os estabelecimentos comerciais em horas e dias de pouca afluência. 

© Jorge Lopez / Reuters

Higuerote é uma pequena população costeira do Estado venezuelano de Miranda, localizada 110 quilómetros a leste de Caracas, e muito procurada durante a época balnear e aos fins de semana.

"Isto está cada vez mais perigoso. Durante a semana, como há pouco movimento, alguns comerciantes abrem tarde e fecham cedo, e às vezes nem abrem, porque já assaltaram praticamente quase todos os estabelecimentos", disse um comerciante à agência Lusa.

 Francisco Freitas explicou que ele próprio, há algumas semanas, foi intercetado por vários desconhecidos, quando regressava a casa. Obrigaram-no a entrar noutra viatura e exigiram dinheiro para o deixarem ir em liberdade.

"Foram várias horas de angústia, mas tudo terminou em bem", explicou, recusando-se a avançar com mais pormenores.

Segundo vários comerciantes, os estabelecimentos comerciais de venda de bebidas alcoólicas e de roupa de praia estão a reduzir o horário de funcionamento devido à baixa afluência de clientes, mas sobretudo por recearem assaltos, optando por prolongar o horário aos fins de semana.

A insegurança é apontada pelos analistas e pelos próprios cidadãos como uma das principais preocupações dos venezuelanos, afetando tanto cidadãos nacionais como estrangeiros radicados no país.

Os assaltos e os sequestros são, dentro da insegurança, as questões que mais preocupam os comerciantes, principalmente porque colocam em risco a integridade física das vítimas.

Fontes não oficiais dão conta que pelo menos uma dezena de portugueses foram sequestrados desde o início do ano na Venezuela.

A maioria dos casos de sequestro não são denunciados às autoridades e os familiares tentam ocultar essas situações da imprensa, por temerem represálias.

Dados divulgados recentemente pela organização não-governamental Observatório Venezuelano de Violência, apontam para uma média anual de 20 mil homicídios.






Lusa
  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.