sicnot

Perfil

Mundo

EUA proíbem utilização de gordura artificial nos produtos alimentares

Os Estados Unidos proibiram esta terça-feira gorduras artificiais nos produtos alimentares, depois de concluírem que aquelas substâncias são prejudiciais para a saúde, dando três anos para as remover da indústria alimentar.

"Os óleos vegetais parcialmente hidrogenados, principal fonte alimentar de ácidos gordos artificiais na produção industrial de alimentos, não são considerados seguros para uso na alimentação humana", disse a Agência para a Regulamentação dos Alimentos e Medicamentos (FDA) norte-americana. (Arquivo)

"Os óleos vegetais parcialmente hidrogenados, principal fonte alimentar de ácidos gordos artificiais na produção industrial de alimentos, não são considerados seguros para uso na alimentação humana", disse a Agência para a Regulamentação dos Alimentos e Medicamentos (FDA) norte-americana. (Arquivo)

Petros Giannakouris / AP

"Os óleos vegetais parcialmente hidrogenados, principal fonte alimentar de ácidos gordos artificiais na produção industrial de alimentos, não são considerados seguros para uso na alimentação humana", disse a Agência para a Regulamentação dos Alimentos e Medicamentos (FDA) norte-americana.

Em 2013, a FDA já tinha considerado aquelas gorduras eram nocivas para a saúde, mas a agência estava à espera de ouvir todas as partes interessadas, nomeadamente movimentos de consumidores e indústria alimentar, para anunciar a sua decisão.

"Esta decisão mostra o compromisso da FDA para proteger a saúde do coração de todos os norte-americanos. Isto deve reduzir a doença cardíaca coronária e prevenir milhares de ataques cardíacos todos os anos", disse Stephen Ostroff, diretor interino da agência.

Lusa
  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras