sicnot

Perfil

Mundo

Governo da Moldávia demite-se em bloco

O Governo da Moldávia demitiu-se esta terça-feira em bloco depois da renúncia, na sexta-feira, do primeiro-ministro, Chiril Gaburici, suspeito de falsificação do diploma universitário, segundo um comunicado citado pela agência EFE.

O Governo demitiu-se em bloco depois da renúncia, na sexta-feira, do primeiro-ministro, Chiril Gaburici, suspeito de falsificação do diploma universitário.

O Governo demitiu-se em bloco depois da renúncia, na sexta-feira, do primeiro-ministro, Chiril Gaburici, suspeito de falsificação do diploma universitário.

© Stringer . / Reuters

Segundo a Constituição da antiga república soviética, o presidente, Nikolai Timofti, tem de decretar a demissão do Governo e nomear um primeiro-ministro interino, iniciando depois consultas com os diferentes grupos parlamentares para formar uma nova coligação e nomear um novo primeiro-ministro.

Se num prazo de três meses não for alcançado um acordo, o presidente deverá convocar eleições antecipadas.

Gaburici, 38 anos, foi designado primeiro-ministro a 18 de fevereiro passado com o apoio do Partido Liberal Democrata, do Partido Democrata e do Partido Comunista, que têm juntos 60 dos 101 assentos do Parlamento moldavo.

Em abril surgiram as primeiras alegações de que teria falsificado o seu diploma e na sexta-feira, depois de notificado da investigação, demitiu-se, afirmando não querer "participar em jogos políticos".
Lusa
  • Atores recriam cena em que um homem é vítima de violência doméstica
    1:35
  • Ministério Público admite eventual detenção do presidente do governo da Catalunha
    2:24
  • Bispo vermelho

    "Recebia trabalhadores e sindicalistas, batia à porta de políticos e empresários, andava pelas ruas da cidade ao encontro dos que das ruas da cidade faziam casa". Joaquim Franco evoca Manuel Martins, o "bispo vermelho".

    Joaquim Franco

  • Apreendidos quase 7.000 comprimidos ilegais vendidos pela internet
    1:43

    País

    O Infarmed e a Autoridade Tributária apreenderam perto de 7.000 unidades de comprimidos ilegais.A apreensão aconteceu no âmbito de uma operação internacional da Interpol de combate aos medicamentos ilegais vendidos pela internet, explicou à SIC Luís Sande e Castro, diretor da Unidade de Inpeção do Infarmed.

  • Passageiro detido com 1 kg de ouro no reto

    Mundo

    Os funcionários da alfândega do aeroporto de Colombo, Sri Lanka, estranharam o comportamento de um passageiro que "caminhava com dificuldade". Um exame completo revelou a valiosa carga que levava escondida... no tubo intestinal.