sicnot

Perfil

Mundo

Marine Le Pen apresenta grupo parlamentar europeu baseado na sua Frente Nacional

Marine Le Pen apresenta hoje em Bruxelas um grupo parlamentar batizado como Europa das Nações e das Liberdades, constituído em torno da sua Frente Nacional.

© Yves Herman / Reuters

O novo grupo parlamentar europeu integra deputados do Partido para a Liberdade holandês (PVV), do Partido da Liberdade austríaco (FPÖ), da Liga Norte italiana e do Vlaams Belang flamengo (Bélgica), com os quais a Frente Nacional já trabalhou, mas também outros eurodeputados, cuja nacionalidade apenas hoje será revelada. 

Para formar um grupo no Parlamento Europeu, são precisos pelo menos 25 deputados de sete nacionalidades diferentes. Com os seus aliados clássicos, a FN tinha o número necessário de representantes nacionais (37), mas não as nacionalidades suficientes.

Além de uma maior visibilidade e de eventuais presidências de comissões ou subcomissões, um grupo dá a garantia de se receber milhões de euros de subsídios.

A Frente Nacional, que venceu as eleições europeias de maio de 2014 em França, tenta desde então constituir um grupo parlamentar, mas os seus esforços para congregar os quatro deputados do Congresso da Nova Direita polaca (KNP) e um deputado nacionalista búlgaro do VMRO fracassaram.

O Parlamento Europeu contará a partir de agora com dois grupos eurófobos e anti-imigração, já que o líder do partido eurocético britânico Ukip, Nigel Farage, conseguiu reconstituir um grupo parlamentar após uma curta dissolução em meados de outubro passado, devido à saída de uma deputada letã.

Farage conseguiu repescar um deputado polaco de extrema-direita, Robert Jaroslaw Iwaszkiewicz, do KNP.

  • João Galamba deixa de ser porta-voz do PS

    País

    João Galamba vai deixar de ser porta-voz do PS e de integrar a comissão permanente do partido. A nova porta-voz dos socialistas vai ser Maria Antónia Almeida Santos, que já integrava a comissão independente, órgão de direção política do PS.

  • Mariano Rajoy não vai convocar eleições antecipadas
    1:24

    Mundo

    O governo espanhol está por um fio por causa de um processo de corrupção a envolver dirigentes do PP. O PSOE apresentou uma moção de censura e o Ciudadanos pede eleições antecipadas. O chefe do governo, Mariano Rajoy, já disse que não vai convocar eleições.