sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 34 civis mortos em Aleppo por rockets

Um ataque com rockets matou pelo menos 34 civis em Aleppo, naquele que foi considerado um dos dias mais sangrentos para as zonas controladas por forças governamentais na cidade síria, disse hoje o Observatório para os Direitos Humanos.

© Stringer Shanghai / Reuters

Entre os mortos estão 12 crianças, vítimas de um ataque rebelde que lançou mais de 300 'rockets' sobre bairros da cidade, na segunda-feira.

O controlo da cidade está dividido entre os rebeldes, no leste, e as forças leais ao Presidente Bashar al-Assad, no oeste.

As duas partes bombardeiam-se frequentemente mas o diretor do Observatório, Rami Abdel Rahman, disse à AFP que o número de mortes de segunda-feira foi dos mais elevados "em ataques da oposição à cidade de Aleppo".

"É provável que o número de mortos aumente, já que há cerca de 190 feridos, incluindo dezenas em estado crítico, com ferimentos graves", disse.

"Juntando os mortos e os feridos, resulta no dia mais violento de toda a guerra para as zonas de Aleppo controladas pelo Governo", concluiu.


Lusa
  • Taxa de desemprego abaixo dos 10%

    Economia

    A taxa de desemprego em fevereiro ficou afinal nos 9,9%. O Instituto Nacional de Estatística reviu o indicador em baixa de 0,1 pontos percentuais, esta sexta-feira. É o valor mais baixo desde fevereiro de 2009.

  • Incêndio dominado em Gondomar
    4:25

    País

    Está dominado o incêndio que esta manhã obrigou à evacuação da Escola Secundária de São Pedro da Cova, no concelho de Gondomar. A repórter Susana Bastos esteve no local.

  • "Tanolas" tem cadastro criminal e já foi condenado a pena suspensa
    0:55
  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
    Quadratura do Círculo

    Quadratura do Círculo

    QUINTA-FEIRA 23:00

    Luís Montenegro garante que nunca será candidato à presidência do PSD contra o Passos Coelho. Convidado da Quadratura do Círculo, na SIC Notícias, o líder da bancada dos sociais-democratas acha mesmo que é um exagero dizer-se que Pedro Passos Coelho está politicamente morto.