sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 34 civis mortos em Aleppo por rockets

Um ataque com rockets matou pelo menos 34 civis em Aleppo, naquele que foi considerado um dos dias mais sangrentos para as zonas controladas por forças governamentais na cidade síria, disse hoje o Observatório para os Direitos Humanos.

© Stringer Shanghai / Reuters

Entre os mortos estão 12 crianças, vítimas de um ataque rebelde que lançou mais de 300 'rockets' sobre bairros da cidade, na segunda-feira.

O controlo da cidade está dividido entre os rebeldes, no leste, e as forças leais ao Presidente Bashar al-Assad, no oeste.

As duas partes bombardeiam-se frequentemente mas o diretor do Observatório, Rami Abdel Rahman, disse à AFP que o número de mortes de segunda-feira foi dos mais elevados "em ataques da oposição à cidade de Aleppo".

"É provável que o número de mortos aumente, já que há cerca de 190 feridos, incluindo dezenas em estado crítico, com ferimentos graves", disse.

"Juntando os mortos e os feridos, resulta no dia mais violento de toda a guerra para as zonas de Aleppo controladas pelo Governo", concluiu.


Lusa
  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.

  • Presidente do Brasil formalmente acusado de corrupção

    Mundo

    O Procurador-Geral da República do Brasil apresentou na noite de segunda-feira ao Supremo Tribunal Federal uma denúncia contra o Presidente Michel Temer e o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) pelo crime de corrupção passiva.

  • Reconquista de Mossul ao Daesh pode estar para breve
    1:27
  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.