sicnot

Perfil

Mundo

Tribunal do Bangladesh confirma pena de morte para líder islâmico

O Supremo Tribunal do Bangladesh confirmou hoje a condenação à morte de um líder islâmico, que deverá ser executado dentro de meses por crimes de guerra durante a luta pela independência em 1971 contra o Paquistão.

Ali Ahsan Mohammad Mujahid, de 67 anos, é o secretário-geral do partido Jamaat-e-Islami, o maior partido islâmico do Bangladesh (Reuters/ Arquivo)

Ali Ahsan Mohammad Mujahid, de 67 anos, é o secretário-geral do partido Jamaat-e-Islami, o maior partido islâmico do Bangladesh (Reuters/ Arquivo)

© Andrew Biraj / Reuters

Considerado como um dos arquitetos do massacre dos intelectuais durante esse período, Ali Ahsan Mohammad Mujahid, de 67 anos, é o secretário-geral do partido Jamaat-e-Islami, o maior partido islâmico do país.

"A sua condenação à pena de morte foi confirmada", disse à AFP o procurador Soumya Reza, indicando que o homem pode ser enforcado dentro de alguns meses, caso não seja apresentado um novo recurso ou beneficie de um perdão presidencial.

Ali Ahsan Mohammad Mujahid foi condenado em julho de 2013 pelo controverso "tribunal internacional de crimes" pelo sequestro e desaparecimento de Sirajuddin Hossain, dono do maior jornal daquela época, o Ittefaq, e pela morte do músico Altaf Hossain.

Este tribunal foi estabelecido em 2010 pelo Governo, que afirma que estes processos são necessários para sarar as feridas da guerra da independência.


Lusa
  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.