sicnot

Perfil

Mundo

Chade proíbe uso da "burqa" por razões de segurança

O Chade proibiu o uso da "burqa", manto que cobre o rosto e todo o corpo, por razões de segurança após o duplo atentado suicida que causou 33 mortos na segunda-feira em N'djamena, anunciou hoje o primeiro-ministro chadiano.

© Stephane Mahe / Reuters

Kalzeube Pahimi Deubet, que falava aos chefes das diferentes comunidades religiosas na véspera do início do Ramadão, disse que "o uso da 'burqa' deve parar imediatamente a partir deste dia, não apenas em locais públicos e nas escolas, mas em todo o território". 

Na segunda-feira, pelo menos 33 pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas num duplo ataque suicida na capital do Chade, que teve como alvo a polícia e que o governo atribuiu ao movimento extremista Boko Haram.

Estes foram os primeiros ataques deste tipo na capital do país centro-africano, que tem estado na linha da frente da luta regional contra o grupo islâmico nigeriano. 

Lusa
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.